//Vídeos

“Eu queria ser Jamelão”

Áurea Martins conta sua história para a seção +70

Áurea Martins é o nome artístico de Áldima Pereira dos Santos, cantora nascida na capital fluminense em 13 de junho de 1940. Com longa trajetória na noite carioca, Áurea Martins é referência para toda uma geração de cantores e músicos do Rio de Janeiro. Com voz rouca, marcante, ela registrou e cantou músicas de compositores consagrados brasileiros: Tom Jobim, Carlos Lyra, Vinicius de Moraes, Francis Hime, Johnny Alf, Chico Buarque.

Em entrevista à Série +70, a cantora fala do início da carreira – quando ganha o programa Pescando Estrelas – e da repercussão de seu primeiro disco, lançado em 1972. “Na época, ele não abriu portas, não; teve foi preconceito porque uma mulher negra que não cantava samba gravar um disco elitista… Foi bom porque é atemporal. Com Luiz Eça, o maior pianista do Brasil, o Tamba, Luiz Cláudio Ramos e Paulo Mendes Campos, o que você acha, né?”

Sobre suas inspirações para cantar, Áurea cita, entre outros, Elizeth Cardoso, Monarco e Jamelão. “Sou fã de carteirinha do Jamelão. Se perguntar para mim o que eu queria ser, eu queria ser Jamelão”, diverte-se ao citar o cantor de sambas da Mangueira.

Confira a entrevista.

//tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. “Benditos sejam os malditos! Gravou?”

    Jards Macalé conta sua história para a seção +70

  2. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

    Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

  3. “Elvis tinha uma voz quadrada. Mas tinha ritmo”

    Cauby Peixoto revê sua carreira, suas influências e alguns de seus sucessos

  4. Daniella Gramani + Fabricio Conde + Muepetmo

    Voz, viola e eletrônica em busca de um caminho comum

  5. Cadê o Ovo, por Mujangué

    Quinteto formado pelo Rumos Coletivo canta "Cadê o ovo, mamãe, que a galinha botou?!"

  6. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

    Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

  7. Improvisação, por Trio Darisbo, Siqueira e Loop B

    Sucata, piano, guitarra e flauta são os suportes para a criatividade deste trio surgido no Rumos Coletivo

  8. Petit Bal Perdu, por Vocoralia Quarteto

    Grupo criado a partir do Rumos Coletivo interpreta composição de Bourvil

    1. “Benditos sejam os malditos! Gravou?”

      Jards Macalé conta sua história para a seção +70

    2. Samba de Coco Raízes de Arcoverde

      Grupo pernambucano criado em 1992 reúne três famílias que dançam e cantam o coco

    3. Mestres da Guitarrada: lambada e carimbó

      Grupo resgata 30 anos da formação instrumental paraense, pelas mãos de Mestre Vieira, Aldo Sena e Mestre Curica

    4. Espumas ao Vento, por Elza Soares

      Da trilha sonora de Lisbela e o Prisioneiro, música de Accioly Neto ganha versão a cappella

    5. Blackbird, por Carlos Amaral e Renato Savassi

      Um dos clássicos de Lennon & McCartney em versão voz-viola-flauta

    6. “Sim, Senhor”, por Carlos Amaral e Renato Savassi

      Um dos grupos formados pelo Rumos Coletivo, de 2012

    7. Serena, Serena, por Chico Correa & Eletronic Band

      Músico paraibano funde ritmos nordestinos tradicionais, como o coco, com música eletrônica

    8. “Futebol no Inferno”, por Cadê Dona Maria?

      Cordel do poeta-repórter José Soares ganha releitura do grupo do rabequeiro Di Freitas

    9. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

    10. Régis Duprat: “Rogério se transformou em uma bandeira”

      Apresentação dos programas de rádio da série Estéreo Saci dedicados ao maestro Rogério Duprat