//Séries//no mundo

“Tive inveja de não ter o samba em Portugal”

Cantora portuguesa, Sara Serpa fala de sua carreira e da segunda visita ao Brasil

texto Itamar Dantas

Cantora de jazz portuguesa se destaca pela falta de vibrato na voz e pela fluência nos vocalises. Foto: João Ornelas

Sara Serpa conquistou a crítica especializada do mundo do jazz. Seu estilo de cantar, sem vibratos, associado à fluência nos vocalises, tem despertado a atenção da mídia internacional.

A cantora tem origem portuguesa, mas vive em Nova York. Iniciou seus estudos no país de origem, mas foi no Berklee College of Music e depois no New England Conservatory, em Boston, que Sara completou sua formação como cantora de jazz, em 2008. Entre seus professores, estavam os pianistas Danilo Perez e Ran Blake, os vocalistas Dominique Eade e Theo Bleckmann, o trombonista Hal Crook e o saxofonista Jerry Bergonzi.

Apesar da origem distante, a vocalista tem muitas referências na música brasileira, principalmente no que se refere à improvisação e aos vocalises. Músicos como Hermeto Pascoal, Milton Nascimento e Edu Lobo influenciaram seu estilo de cantar. Seu primeiro contato com o Brasil se deu pela internet. A cantora brasileira Dani Gurgel a convidou para compor uma música e acabaram se tornando “amigas de e-mail”. Depois, foi a musicista Andrea dos Guimarães que entrou em contato. E essas conversas acabaram em uma série de shows no Brasil, em 2011.

Em novembro de 2012, a cantora esteve novamente no país e se apresentou em São Paulo e no Rio de Janeiro, acompanhada do guitarrista português André Matos e de uma seção rítmica de músicos brasileiros formada por Léo Ferrarini (piano), Felipe Brisola (contrabaixo) e Everton Barba (bateria).

Por e-mail, ela contou ao Álbum sua intensa relação com o país e suas impressões em relação à segunda visita.

ÁLBUM – Conhece a música brasileira? O que costuma ouvir?
SARA SERPA –
Adoro a música brasileira, tenho imenso respeito, admiração e curiosidade pela riqueza e pela cultura musical do país; e toda vez que vou ao Brasil esse sentimento aumenta. Ouço de Tom Jobim a Pixinguinha, passando pelos inevitáveis Milton Nascimento, Chico Buarque, Caetano Veloso, Elis Regina, Joyce, Hermeto Pascoal, Rosa Passos, Maria Bethânia, Gal Costa, Edu Lobo, Djavan, Toninho Horta, Jackson do Pandeiro, Guinga, Dorival Caymmi, Luciana Souza, João Gilberto, Gilberto Gil e tantos mais que provavelmente estou me esquecendo. A lista é infinita porque o Brasil tem muitos músicos bons. Quando estive no Rio de Janeiro, fui a uma roda de samba no bar Trapiche Gamboa e me emocionei ao ver os músicos tocando e todo mundo cantando e dançando. Fiquei com uma pontinha de inveja de não ter tido esse tipo de vivência musical em Portugal…

Como você desenvolveu esse interesse pela música instrumental e pelos vocalises? Quais são suas principais referências?
O interesse pela música instrumental surgiu talvez por eu ter começado a minha aprendizagem com o piano, que estudei durante dez anos. Quando entrei para a escola de jazz como cantora, quis aprender o que os instrumentistas aprendem, não só o que estava destinado às cantoras. Fiquei fascinada com a improvisação, a harmonia, a composição e como a voz pode complementar todo esse mundo, funcionando como mais um instrumento, com papel igual ao dos outros músicos, e não como a personagem principal, a diva. Posteriormente, desenvolver o som da voz como um todo, que ressoe e que tenha uma cor característica, ajudou na evolução do meu trabalho. Na música brasileira tem muitos artistas que cantam sem letra, que são grandes improvisadores e uma referência para mim, como Milton Nascimento, Edu Lobo, Joyce, Sivuca, Hermeto Pascoal (que também escreveu música usando vozes como instrumento). Considero todos eles músicos completos. Na minha visão, fazer música instrumental ou vocal é apenas uma forma de categorizar a linguagem vasta e universal que é a música. É uma forma de expressão individual de emoções e vivências. Na realidade, o mais importante para mim é escutar qual a história contada pelo cantor ou músico quando tocam. Fora do Brasil, músicos como Bobby McFerrin, Theo Bleckmann, Jen Shyu e Maria João também são referências. As minhas influências são variadas e fogem do gênero musical que faço. Não ouço só cantores, mas muitos instrumentistas que, por vezes, me tocam de uma maneira mais forte na composição e na improvisação.

Como se deu o contato com os outros músicos brasileiros com quem você trabalhou no Brasil?
Foi por meio da internet. Inicialmente, com a cantora Dani Gurgel, que enviou um e-mail me convidando para escrever um tema para ela cantar. Posteriormente, a cantora Andrea dos Guimarães entrou em contato comigo, me enviou CDs e ficamos amigas de e-mail. Como cantora e pedagoga supermotivada e curiosa, ela levou seu interesse mais à frente e organizou uma série de concertos em São Paulo e no Conservatório de Tatuí no ano passado. Neste ano foi uma turnê pelo Uruguai que possibilitou a minha vinda ao Brasil, com a Andrea, que mais uma vez me ajudou a apresentar a minha música em São Paulo. Fui ao Rio também, a um concerto organizado pelo Arte Institute e pelo Consulado de Portugal.

O que leva de experiências daqui? Tem planos de voltar ao país?
Regressei de alma cheia. Os brasileiros me trataram de forma muito afetuosa e carinhosa. O fato de falarmos a mesma língua facilita toda a nossa interação e comunicação. Tive uma estranha sensação de familiaridade quando andei pelas ruas do Rio ou de São Paulo. O Brasil tem história e cultura ricas e vastas, paisagens incríveis e vivências muito diferentes das que eu conheço. Por isso, tenho muita vontade de retornar e ficar mais tempo para absorver toda essa energia e me inspirar. Fiz muitas amizades fortes e voltarei sempre que for possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. “A gente pode fazer muita coisa pelo mundo afora”

    Guinga e Esperanza Spalding falam do 1º show conjunto

  2. Ôctôctô do outro lado do Atlântico

    Saxofonista Luís Málaga comenta a experiência do grupo na Europa

  3. “O que nos faz vibrar é a música brasileira!”

    Percussionista Adriano Adewale conta sua trajetória no mercado inglês

  4. O fole e as cordas

    Marco Pereira e Toninho Ferragutti lançam álbum conjunto em que revisitam suas obras em violão e acordeão

  5. A malícia e o jazz do choro carioca

    Em Rio, Choro, Jazz... Antonio Adolfo revisita obra de Ernesto Nazareth e lança música em sua homenagem

  6. Um fagote no jazz

    Fagotista com apetite pelo jazz e improvisação, Alexandre Silvério trilha caminhos inusuais para seu instrumento

  7. O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada

    Norte-americano que trocou a guitarra pelo pandeiro, Scott Feiner fala ao Álbum

  8. “Villa-Lobos é o pai da música brasileira contemporânea!”

    Mario Adnet comenta seu novo álbum, dedicado à obra do autor de "Trenzinho do Caipira"

  9. Violão e folclore ao sul do equador

    Em Sonidos del Sur, violonista Pedro Martinez passeia pela música popular do Paraguai, da Argentina e do Brasil

  10. “O complexo não é o mais difícil, é o inimaginável”

    Moçambicano Stewart Sukuma e sua música: do ritmo marrabenta ao jazz e ao pop contemporâneo

  11. “Éramos chamados de quadrados”

    Izaías do Bandolim fala do período em que o choro ficou esquecido em meio à invasão de ritmos estrangeiros

  12. Diálogos musicais para além-mar

    Projeto Casa de Bamba reúne os pianistas André Mehmari e Mário Laginha. Confira a entrevista

  13. Em SP, Néctar do Groove antecipa seu segundo CD

    Banda apresentou seu jazz nordestino no Instrumental Sesc Brasil

  14. Marco Pereira revitaliza obra de Dilermando Reis

    Disco "Dois Destinos" traz arranjos modernos e improvisação às composições do violonista seresteiro

  15. “Ser compositor de música erudita no Brasil é muito difícil”

    Criar a partir da união do folclore com a música clássica é a missão do maestro Yves Rudner Schmidt

  16. “A gente não escolhe ser músico, a gente é músico”

    João Donato fala de passagens importantes de sua carreira em entrevista ao +70

  17. Vitor Araújo: “Eu me desespero com o (disco) independente”

    Ouça o segundo álbum do pianista pernambucano

  18. Os compassos irracionais do Entrevero Instrumental

    Quarteto lança Estratossoma, que passeia pela música regional, música atonal e improvisação

  19. “A MPB virou música alternativa”

    Leo Gandelman fala de seu novo disco e faz críticas ao tratamento dado à música popular

  20. Hurtmold e Paulo Santos lançam álbum “Curado”

    Grupo paulistano de música instrumental sela com disco parceria de oito anos com músico mineiro

    1. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

    2. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

    3. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

    4. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    5. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

      1. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      2. Sem bandleader

        O rock instrumental brasileiro, de Os Incríveis a Pata de Elefante e Macaco Bong

      3. Hermeto Pascoal no Auditório Ibirapuera

        Hermeto Pascoal e Grupo realizaram apresentação recheada de improvisações

      4. A música de Paulinho da Viola pela Escola do Auditório Ibirapuera

        Cinco formações da Escola interpretaram músicas do sambista e de outros artistas brasileiros

      5. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      6. Nova Orleans, jazz, blues, zydeco

        Playlist apresenta atmosfera sonora do Bourbon Street Music Club

      7. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura

      8. A música do Bourbon Street Music Club

        Playlist traz clássicos de artistas que já passaram pelo Bourbon Street Music Club

      9. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      10. Série Instrumento: Violão

        Seleção lista interpretações de Dilermando Reis, Rosinha de Valença, Vera Brasil, Geraldo Vespar e Sebastião Tapajós

      11. Série Instrumento: Baixo

        Playlist reúne os titulares do ritmo Luizão Maia, Luiz Chaves, Liminha, Jamil Joanes e Arthur Maia

      12. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera

      13. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello