//Séries//no mundo

“O mercado europeu de música instrumental acabou!”

Clarinetista italiano, Gabriele Mirabassi comenta sua relação com a música brasileira

texto Itamar Dantas

O clarinetista italiano Gabriele Mirabassi: música erudita, brasileira e jazz. Foto: reprodução

Gabriele Mirabassi é um clarinetista italiano apaixonado pela música brasileira. Ainda jovem, entre os anos 1970 e 1980, teve o primeiro contato com a cultura do país. Encantava-se com os discos de Egberto Gismonti, mesmo sem saber a nacionalidade do intérprete. “Eu só me tocava que era um compositor maluco, que colocava frevo e maracatu nos temas!”

Da música erudita, o instrumentista foi para o jazz, gênero em que se consagrou. Foi somente no final dos anos 1990, quando recebeu um convite de sua gravadora para fazer um disco com o violonista Sérgio Assad (Velho Retrato, 1999), que mergulhou de vez na música brasileira. Já em 2004, registrou com Guinga o disco Graffiando Vento e, em 2009, gravou com o pianista André Mehmari o álbum Miramari.

Mirabassi afirma que a riqueza harmônica e poética da música popular do Brasil chamou sua atenção. “Para vocês, brasileiros, ter compositores do nível de Tom Jobim, Edu Lobo e Chico Buarque na música popular é normal. Vocês estão acostumados com essa cultura musical. Mas o nível de conteúdo é muito erudito, muito complexo. Naturalmente, a complexidade vem de uma tradição folclórica”, afirma o músico.

No dia 30 de novembro, Mirabassi se apresentou ao lado de Guinga no Festival Choro Jazz, realizado em Jericoacoara, Ceará. Em entrevista ao Álbum, o clarinetista fala de sua relação com o Brasil e a quantas anda a vida cultural na Europa.

ÁLBUM – Como se deu o seu primeiro contato com a música brasileira?
GABRIELE MIRABASSI – Desde adolescente eu ouvia Egberto Gismonti. Ele foi o primeiro brasileiro que eu gostei. Eu não sabia que ele era brasileiro; era fácil achar os discos dele na Europa, mas não tinha nenhuma indicação de que era do Brasil. Eu só me tocava que era um compositor maluco, que colocava frevo e maracatu nos temas, mas ainda não tinha essas referências. Depois disso, muitos anos mais tarde, tive uma grande oportunidade. Um produtor me contratou para gravar um disco de duo de violão e clarinete com um compositor erudito. Ele tinha um nome estranho, Assad. Foi uma semana no estúdio com o Sérgio Assad. Foi tão fascinante que eu comecei a pedir informações sobre a música brasileira. Ouvi pela primeira vez falar do choro, de um cara que se chamava Pixinguinha. Depois conheci Nelson Cavaquinho, Cartola. As canções têm um requinte, uma dificuldade harmônica impressionante, e são populares. Dez anos depois, em outra situação, acabei fazendo outro disco em duo, desta vez com o André Mehmari. O André é outro milagre que só poderia acontecer no Brasil. Ele transita entre o erudito e o popular com uma fluência impressionante. Então, com todas essas experiências, eu comecei a visitar o país, pesquisar, aprender a língua. Isso se tornou fundamental para a minha formação.

O que te chamou mais atenção na música popular daqui?
Para vocês, brasileiros, ter compositores do nível de Tom Jobim, Edu Lobo e Chico Buarque é normal. Vocês estão acostumados com essa cultura musical. Mas o nível de conteúdo é muito erudito, muito complexo. Naturalmente, a complexidade vem de uma tradição folclórica. E isso tudo faz com que aconteça um milagre. Ninguém entende bem o que é um compositor como o Guinga na Europa. É um dos compositores contemporâneos mais impressionantes com quem eu já tive contato. Comecei estudando música erudita. Depois encontrei o jazz. Mas ainda me faltava um pedaço. A música brasileira tem uma coisa que mistura o erudito e popular, reúne os pedaços espalhados da minha formação, me completa.

O que chega da música brasileira na Europa?
Trabalho muito com o Guinga, fiz um disco com o André Mehmari. É difícil explicar que isso é música brasileira na Europa. Eles esperam João Gilberto, a bossa nova, existe esse estereótipo. Quando chegam músicos como esses lá, é difícil explicar que isso é Brasil. Fico muito orgulhoso. Agora, está surgindo um movimento de choro na Itália. Tenho um pouquinho de participação nisso. Sempre levei músicos daqui para tocar lá e eles sempre me convidam para participar dos seus shows. Hamilton de Holanda e Yamandu Costa estão montando carreiras importantes no mercado europeu. Eles estão tocando muito por lá no meio jazzístico. Nos últimos anos, o interesse pela música brasileira cresceu muito.

Como anda o mercado europeu de música instrumental?
Acabou. A Europa está passando por uma das piores crises econômicas desde a Segunda Guerra Mundial. Acabou a verba completamente, de um dia para o outro. Festivais estão acabando, pagando metade do cachê. Gravadoras e lojas de discos estão fechando. As gravadoras estão mandando muita gente embora. Pobre não tem dinheiro para comprar discos.

Foi difícil se adaptar a esse “sotaque” da música do Brasil?
Desde que eu me aproximei da música brasileira, venho buscando cada vez mais referências. Agora eu posso dizer que conheço um pouco da música daqui. Mas é um mundo tão enorme; eu só peguei uma pontinha. Eu não troquei de nacionalidade, continuo italiano, minha formação principal é de lá. Mas, trabalhando com a música daqui, e ciente dessa complexidade, acho que é necessário conhecer cada vez mais para me adaptar às nuances. É um ato de amor, de respeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. “A gente pode fazer muita coisa pelo mundo afora”

    Guinga e Esperanza Spalding falam do 1º show conjunto

  2. Pixinguinha de roupa nova

    Novo álbum de Hamilton de Holanda reúne visões estrangeiras da obra do chorão carioca

  3. Imperfeições à Guinga

    Compositor carioca comenta seu primeiro álbum gravado somente com voz e violão

  4. Diálogos musicais para além-mar

    Projeto Casa de Bamba reúne os pianistas André Mehmari e Mário Laginha. Confira a entrevista

  5. “Ficar preso à história oficial é uma coisa perigosa”

    Livro de Amaral Júnior traz pesquisa inédita sobre a história do choro em São Paulo

  6. “Éramos chamados de quadrados”

    Izaías do Bandolim fala do período em que o choro ficou esquecido em meio à invasão de ritmos estrangeiros

  7. A malícia e o jazz do choro carioca

    Em Rio, Choro, Jazz... Antonio Adolfo revisita obra de Ernesto Nazareth e lança música em sua homenagem

  8. Projeto mapeia a trajetória do violão brasileiro

    Disco reúne 12 músicos que mudaram a história do instrumento

  9. O violino e o vibrafone

    Ricardo Herz (dir.) e Antonio Loureiro promovem encontro inusitado em disco

  10. Fora da mira dos conservadores

    Heraldo do Monte lança álbum em que a viola é protagonista do choro

  11. “Nós fomos a resistência do choro”

    A trajetória de uma das figuras centrais do choro paulistano: Izaías do Bandolim

  12. Seguindo os passos de Mangoré

    Com show e disco, Berta Rojas e Paquito D'Rivera homenageiam Agustín Barrios

  13. Ôctôctô do outro lado do Atlântico

    Saxofonista Luís Málaga comenta a experiência do grupo na Europa

  14. Beatles de lata e PVC

    Grupo Uakti interpreta clássicos do quarteto de Liverpool

  15. “Tem gente que diz assim: não é só tu que tá tocando”

    Sebastião Tapajós conta sua trajetória à Série +70 e relata impressões sobre seu disco Guitarra Criolla, de 1982

  16. João Parahyba: o tradicional e o moderno

    Registros das missões de Mário de Andrade estão entre as indicações do músico paulista

  17. Em SP, Néctar do Groove antecipa seu segundo CD

    Banda apresentou seu jazz nordestino no Instrumental Sesc Brasil

  18. Brasil sem bordas

    Segundo disco de Thiago Amud parte da carta de Pero Vaz de Caminha para contar uma história do Brasil

  19. Caixa Cubo lança seu primeiro álbum

    Música instrumental do baterista João Fideles e do pianista Henrique Gomide chega à França

  20. O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada

    Norte-americano que trocou a guitarra pelo pandeiro, Scott Feiner fala ao Álbum

    1. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

    2. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

    3. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

    4. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    5. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

      1. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      2. A música de Paulinho da Viola pela Escola do Auditório Ibirapuera

        Cinco formações da Escola interpretaram músicas do sambista e de outros artistas brasileiros

      3. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura

      4. Nova Orleans, jazz, blues, zydeco

        Playlist apresenta atmosfera sonora do Bourbon Street Music Club

      5. Série Instrumento: Violão

        Seleção lista interpretações de Dilermando Reis, Rosinha de Valença, Vera Brasil, Geraldo Vespar e Sebastião Tapajós

      6. Série Instrumento: Baixo

        Playlist reúne os titulares do ritmo Luizão Maia, Luiz Chaves, Liminha, Jamil Joanes e Arthur Maia

      7. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera

      8. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      9. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello

      10. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      11. Sem bandleader

        O rock instrumental brasileiro, de Os Incríveis a Pata de Elefante e Macaco Bong

      12. Hermeto Pascoal no Auditório Ibirapuera

        Hermeto Pascoal e Grupo realizaram apresentação recheada de improvisações