//Séries//no mundo

Musicalidade fluida com profundidade ancestral

André Ricardo, do Höröyá, fala da interseção cultural entre Brasil e África promovida pelo grupo

texto Itamar Dantas

Höröyá durante a apresentação no Itaú Cultural. Foto: Christina Rufatto

O grupo Höröyá se apresentou no Itaú Cultural no dia 10 de junho de 2016 e mostrou sua música baseada na fusão entre a cultura afro-brasileira e a africana. Formada por músicos do Brasil e da África, a banda utiliza instrumentos tradicionais do continente africano – como ngoni, dunun e djembê – e outros mais comuns no Brasil – como cuíca, guitarra e atabaque.

Em entrevista à série No Mundo, o idealizador do grupo, André Ricardo, fala sobre o trabalho que guiou a criação da banda e também sobre a sonoridade e os ideais do Höröyá.

ÁLBUM – Conte um pouco sobre a formação do Höröyá.
ANDRÉ RICARDO – Höröyá nasce com a ideia da recriação de linguagens que eu toco e estudo, como música malinqué, sabar [culturas do oeste da África] e samba. Estudei e toquei com vários mestres dessa cultura, como Famoudou Konate e Bolokada Conde, fiz parte de escola de samba, toco em rodas de samba tradicionais e acompanho sambistas como o mestre baiano Riachão. No disco, além da produção, gravei os dununs, caxixis, krin, sabares, tama, ngoni, balafom, cuíca e berimbau. Fazendo a ponte com o mundo mais ocidental, Tobias Kraco criou as guitarras, com influência de diferentes musicalidades negras, como afrobeat, funk e reggae. Nando Vicêncio entrou com as linhas de baixo, completando o groove e a estrutura de base da musicalidade.

Os arranjos de sopro, no geral, foram feitos por mim, cantados ou tocados em instrumentos de percussão e depois arranjados em saxofone por Nando Vicêncio e Richard Fermino. Nas gravações, Fermino trabalhou com sax barítono e tenor, trombone, trompete e clarone; e Sintia Piccin, com sax tenor. Nos djembês, o mestre guineano Bangaly Konate faz as frases de solo que complementam e “disputam” rítmicas com os solos de sopro, costurando o tradicional e o moderno e formatando a cara do grupo. Por fim, Alysson Bruno – ogã de terreiro de candomblé Ketu, excelente percussionista – gravou os atabaques com linguagem afro-brasileira. Assim se deu o processo de criação e produção musical do grupo e do disco. No formato ao vivo, também são parte integrante do time Adilson Fernandes, Jefferson Cauê e Romulo Nardes, outros excelentes percussionistas.

Höröyá bebe na cultura mandinga e na cultura de terreiros brasileira, entre outras manifestações. Como se dá o processo de composição em meio a essas influências?
O processo se dá ao longo da vida. Pode parecer exagero, mas é por aí mesmo… Música é linguagem. E para entrar nesse mundo complexo e profundo de culturas muito antigas, com forte tradição, ritmos seculares… tem de escutar, estudar e tocar muito, durante anos, até passar a incorporar as linguagens, adaptar a execução técnica dos instrumentos… É um processo ao longo da vida mesmo. Eu toco há 20 anos e, nos últimos oito, dez anos, me dedico a essas linguagens do oeste da África e às culturas de matrizes africanas diariamente.

O primeiro passo das composições é a parte rítmica. A criação do ritmo é feita com a instrumentação definida como base da musicalidade do grupo (dununs, djembê, caxixi, krin e sabar, principalmente). Não são ritmos tradicionais, são invenções nossas nesse formato criado. O restante das linhas dos outros instrumentos também é criado sob essa concepção. Quando um percussionista cria as frases de sopro, algo diferente acontece. Segue um caminho de “evolução” musical de concepção africana, e não o caminho ocidental, de variações melódicas. Sem usar a ideia de refrão, usando métricas irregulares, com os sopros não fazendo função de tema: música instrumental, complexa, porém sem soar “cabeçuda”. Tentamos manter uma musicalidade fluida, orgânica e dançante, mas com profundidade ancestral.

Poderia falar sobre temas que trazem o aboio (“Aboyhörô”) e o samba (“Samba Recck”) nessa perspectiva da música apresentada pelo grupo?
O disco tem uma faixa de abertura que expõe uma crítica à nossa formação como país, os ideais centrais do grupo e os mestres e os caminhos que exaltamos. Depois passa por um mundo africano mais moderno, falando de uma África mais tradicional, porém revisitada em nosso formato. No fim, segue para uma reafirmação de afrobrasilidades. Aí se encaixa “Samba Recck”, misturando uma parte que tem o samba com cuíca – convenção de estilo de escola de samba – e depois muda de rumo, seguindo para uma levada do mundo do sabar, da Guiné e do Senegal. Já “Aboyhörô” fecha o disco, com uma primeira parte de canto de aboio feito por Naruna Costa e um texto de reafirmação de valores e ideais de Roberta Estrela D’Alva, tendo ao fundo uma composição rítmica que remete à abertura, porém no mundo afro-brasileiro, com a participação de Maurício Badé no ilú.

Quais são os próximos passos do grupo?
O grupo está firmando seu formato e sua musicalidade, tentando atingir cada vez mais pessoas, formar público, e armando uma sequência de shows em São Paulo e outros estados. Fora isso, já temos algumas ideias novas gravadas para o próximo álbum e também estamos formando parcerias para expandir nossa música… Várias novidades virão!

  1. talento puro e denso! <3

    | camila

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. “Nossa música reflete aquilo que vivemos”

    Acontecimentos políticos recentes inspiram novo álbum do Bixiga 70

  2. Música clássica para todos

    “Temos que mostrar para as novas gerações que é possível escutar sem cair no tédio”, diz o clarinetista belga

  3. Em SP, Néctar do Groove antecipa seu segundo CD

    Banda apresentou seu jazz nordestino no Instrumental Sesc Brasil

  4. “Villa-Lobos é o pai da música brasileira contemporânea!”

    Mario Adnet comenta seu novo álbum, dedicado à obra do autor de "Trenzinho do Caipira"

  5. Imperfeições à Guinga

    Compositor carioca comenta seu primeiro álbum gravado somente com voz e violão

  6. “O complexo não é o mais difícil, é o inimaginável”

    Moçambicano Stewart Sukuma e sua música: do ritmo marrabenta ao jazz e ao pop contemporâneo

  7. “Tem gente que diz assim: não é só tu que tá tocando”

    Sebastião Tapajós conta sua trajetória à Série +70 e relata impressões sobre seu disco Guitarra Criolla, de 1982

  8. “A improvisação está mais para o circo do que para a música”

    Júnior Areia, baixista da Mundo Livre S/A, fala sobre seu disco solo Para Perdedores

  9. “A gente pode fazer muita coisa pelo mundo afora”

    Guinga e Esperanza Spalding falam do 1º show conjunto

  10. “Ser compositor de música erudita no Brasil é muito difícil”

    Criar a partir da união do folclore com a música clássica é a missão do maestro Yves Rudner Schmidt

  11. Nascimento parcelado

    Mês a mês, o violeiro Hugo Linns apresenta duas músicas de seu terceiro álbum

  12. Vitor Araújo: “Eu me desespero com o (disco) independente”

    Ouça o segundo álbum do pianista pernambucano

  13. “Música Eletrônica”, de Jorge Antunes, será relançado

    Disco de Jorge Antunes lançado em 1975 será relançado pelo selo Guerssen Records

  14. Diálogos musicais para além-mar

    Projeto Casa de Bamba reúne os pianistas André Mehmari e Mário Laginha. Confira a entrevista

  15. Suingues minimalistas

    Vitor Santana, João Pires e Marcos Suzano apresentam em São Paulo as suas conexões com o Brasil, Cabo Verde e Portugal

  16. O primeiro voo autoral de Badi Assad

    Cantora e violonista fala de seu álbum Amor e Outras Manias Crônicas

  17. A hora e a vez de Tribo Massáhi – Estrelando Embaixador

    A história do obscuro disco de música afro que se tornou mito entre pesquisadores

  18. Com a ajuda do acaso

    Banda Entrevero Instrumental prepara segundo álbum com participação de Hermeto Pascoal

  19. Site traz histórias de bandas de Pernambuco

    Site Orquestras de Pernambuco – Quatro Olhares sobre Bandas Históricas apresenta grupos populares do estado e sua trajetória

  20. “A MPB virou música alternativa”

    Leo Gandelman fala de seu novo disco e faz críticas ao tratamento dado à música popular

    1. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

    2. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    3. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

    4. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

    5. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

      1. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      2. Série Instrumento: Violão

        Seleção lista interpretações de Dilermando Reis, Rosinha de Valença, Vera Brasil, Geraldo Vespar e Sebastião Tapajós

      3. Série Instrumento: Baixo

        Playlist reúne os titulares do ritmo Luizão Maia, Luiz Chaves, Liminha, Jamil Joanes e Arthur Maia

      4. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera

      5. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello

      6. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      7. Sem bandleader

        O rock instrumental brasileiro, de Os Incríveis a Pata de Elefante e Macaco Bong

      8. Hermeto Pascoal no Auditório Ibirapuera

        Hermeto Pascoal e Grupo realizaram apresentação recheada de improvisações

      9. A música de Paulinho da Viola pela Escola do Auditório Ibirapuera

        Cinco formações da Escola interpretaram músicas do sambista e de outros artistas brasileiros

      10. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      11. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura