//Séries//+70

Cauby Peixoto: “Eu vivo para cantar!”

Ícone da música romântica fala do tempo em que viveu em Nova York e da paixão por cantoras

texto Redação

Cauby Peixoto no auge da carreira, nos anos 1950; na tentativa de retomada do sucesso em 1972; e com o certeiro LP Cauby! Cauby! (1980). Fotos: reprodução

Desde os anos 1950, ele sempre teve a vida esmiuçada por revistas e programas de rádio e de TV. Em 2002, para brindar os 50 anos de sua vida artística, foi lançada a biografia Bastidores, assinada pelo jornalista Rodrigo Faour.

Aos 81 anos de idade, o fluminense de Niterói Cauby Peixoto segue sobre os palcos, como fez em junho passado no Auditório Ibirapuera, em São Paulo, quando – ao lado do violonista Ronaldo Rayol – interpretou composições de Caetano Veloso, Taiguara, Edu Lobo e Gonzaguinha, todas faixas de seu disco mais recente, A Voz do Violão (2011).

Como revela ao Álbum, Cauby nasceu em uma família musical: além do tio Nonô, que popularizou o samba no piano nas primeiras décadas do século XX, é primo do cantor Cyro Monteiro (1913-1973) e irmão do pistonista Araken Peixoto (1930-2009), do pianista Moacyr Peixoto e da cantora Andyara.

Sua longa discografia começa em 1951, década em que se torna um ídolo popular ao eternizar boleros, sambas-canções, marchas e beguines. Atropelado pela música jovem e pela de protesto dos anos 1960, tenta retomar o sucesso nos anos seguintes, mas somente em 1980 recupera o status de superstar, com o lançamento da música “Bastidores”, que Chico Buarque escreveu para o intérprete. Um dos fatos curiosos de sua trajetória é a gravação de “Rock and Roll em Copacabana” (1957), composição do publicitário Miguel Gustavo, que lhe garante o título de um dos pioneiros do rock nacional.

Nesta entrevista exclusiva à série +70, Cauby fala da época em que morou em Nova York, de Elvis Presley (“Era uma voz quadrada, mas ele tinha ritmo!”), da paixão por cantoras (“É muita pretensão minha cantar Barbra Streisand!”) e de seu ofício (“O cantor que conhece jazz canta melhor!”).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. “É um disco sobre ela, mas também sobre mim”

    Nina Becker apresenta em disco sua visão sobre Dolores Duran

  2. Tenor carioca dedica CD a Francisco Alves

    Em seu 2º CD, Márcio Gomes interpreta sucessos como “Nervos de Aço”

  3. Cauby Peixoto falece aos 85 em São Paulo

    Cantor estava internado desde o dia 9 de maio devido a uma pneumonia

    1. “Elvis tinha uma voz quadrada. Mas tinha ritmo”

      Cauby Peixoto revê sua carreira, suas influências e alguns de seus sucessos

      1. Dolores Duran

        A cantora Lulina narra a trajetória de uma das precursoras da bossa nova, dona de obra pioneira ao expressar os sentimentos da mulher

      2. Série Instrumento: Piano

        Obras e interpretações de Dick Farney, Laércio de Freitas, Tania Maria, Benjamim Taubkin e Guilherme Vergueiro

      3. Samba mesmo

        Em show no Auditório Ibirapuera, Jair Rodrigues canta clássicos da música brasileira que nunca havia interpretado