//Séries//+70

Autodidata e cara de pau

O perfil e as histórias de um dos ícones da percussão brasileira, Robertinho Silva

texto Itamar Dantas

Robertinho Silva e, à direita, com Naná Vasconcelos e Milton Nascimento. Fotos: Aluizio Jordão/Museu Clube da Esquina.

Robertinho Silva é um dos principais bateristas e percussionistas da história da música popular brasileira. O músico é um dos fundadores da banda Som Imaginário, acompanhou Milton Nascimento por mais de 25 anos e tem no currículo incontáveis gravações com a boa safra de músicos nacional e internacional. Atualmente, Robertinho trabalha no lançamento de sua biografia e de um livro sobre rudimentos de bateria para ritmos brasileiros. Com a recente reunião da Som Imaginário, o instrumentista faz shows pelo Brasil com seus antigos parceiros e participa de uma série de projetos. Aos 71 anos de idade, Robertinho se define como um músico “autodidata e cara de pau” e, no auge de sua experiência, concedeu entrevista exclusiva ao Álbum.

A música

Robertinho Silva nasceu em 1941 no Rio de Janeiro. Desde muito novo, esteve sempre atento aos sons que o cercavam. Uma de suas atividades favoritas era ouvir o barulho percussivo do trem, no bairro do Realengo, onde foi criado e viveu até a idade adulta. Quando moleque, batucava como podia. “Na época, a gente usava sapato só nos fins de semana, para ir a festas. De segunda a sexta era só tamanco. Eu ia correndo pela calçada fazendo som com os tamancos e andava sempre com uma vareta, batendo nas grades do quartel. Mas sem pensar que estava tocando percussão. Era natural”, conta o músico.

Com um ouvido apurado, a educação musical começou cedo, com o rádio da marca Telefunken comprado pelo pai. Nele, ouvia programas de jazz e de música clássica, sem desconfiar que ainda faria esse tipo de música. “Descobri o jazz no rádio sem que ninguém me falasse o que era jazz. Minha criação veio do rádio. Comecei a sonhar em tocar pelo mundo, mas não como músico militar.”

Em seu bairro havia um quartel e quem era bom músico “entrava pela janela”, conta Robertinho. Foi ali que o músico teve contato pela primeira vez com a bateria. Certo dia, descobriu onde morava um percussionista da banda militar e foi visitá-lo. “Ele me perguntou: ‘Você toca bateria?’. Eu nunca tinha tocado, mas respondi na lata: ‘Toco!’. Sentei à bateria e comecei a tocar um baião, por causa da influência nordestina. Ele iria tocar à noite em um baile e me chamou para acompanhá-lo. Eu fui!” Dessa experiência viria o primeiro convite para integrar uma banda.

Músico da noite

A trajetória como músico profissional começou em boates da cidade do Rio de Janeiro. Depois de montar o primeiro grupo, Ases do Ritmo, com amigos do bairro e passar rapidamente pelo serviço militar, Robertinho Silva começou a tocar na noite carioca, primeiramente como baterista do Conjunto Flamingo, em que  trabalhou até 1963. “Eu estava tocando quando apareceu um cara todo bem vestido e começou a me olhar. Eu pensei: é cana! Então, ele me chamou e perguntou se eu conhecia a Boate Drink. Queria me levar para lá.”

A boate ficava em Copacabana e era uma das melhores e mais conhecidas. À época, Cauby Peixoto havia acabado de comprá-la do pianista Djalma Ferreira (1913-2004). Lá, Robertinho Silva gravaria a primeira participação em um álbum de sua carreira, acompanhando Cauby no disco de 1964, Cauby Interpreta, lançado pela RCA Victor.

Gravação do disco “Milton”, de Milton Nascimento. Atrás: Ronaldo Bastos, Robertinho Silva, Flora Purim Milton Nascimento, Novelli e Laudir de Oliveira. À frente: técnico não identificado. EUA – 1976. Foto: Museu Clube da Esquina

Em 1967, mudou-se para a casa Dancing Avenida, onde conheceu Dominguinhos, então chamado de Neném do Acordeom. Ali, ficou pouco tempo, mas o suficiente para trombar com uma das figuras que marcaria sua carreira, o pianista mineiro Wagner Tiso. Quando viu o futuro amigo ao piano, pensou: “Pô, o novo garçom toca piano”. Tempos depois, Tiso e Robertinho – que já havia passado pelo Canecão e cuja música era quase a titular da gravadora Odeon – tomavam cervejas na Taberna do Leme, lugar frequentado pelos músicos universitários da época (Gonzaguinha, Ivan Lins, Zé Rodrix), quando foram convidados a montar uma banda instrumental para acompanhar Milton Nascimento. “Chegou um cara do nada e falou que estava montando uma banda para acompanhar o Milton Nascimento. Ninguém acreditou. Mas o cara voltou depois com a mesma história. No terceiro dia, falei para eles: ‘Acho que esse cara tá falando sério!’”, revela.

E, na Sexta-Feira da Paixão de 1970, formada por Wagner Tiso (piano), Luiz Alves (contrabaixo), Robertinho Silva (bateria), Tavito (violão), Zé Rodrix (voz, percussão, órgão e flauta) e Fredera (voz e guitarra), estreava Som Imaginário, acompanhando Milton Nascimento no Rio de Janeiro.

Som Imaginário e outras bossas

Marcada pelos arranjos inventivos, a banda acompanhou Milton Nascimento nos anos seguintes e ainda assinou três discos próprios, além de ter participado de inúmeras gravações de outros artistas, como MPB-4, Taiguara e Marcos Valle. “Quando apareceu a Som Imaginário, todo mundo queria gravar com a gente!”

Em 1971, Som Imaginário acompanhou Gal Costa em uma turnê pelo Brasil. No mesmo ano, a banda havia gravado com a cantora baiana um compacto que continha as músicas “Sua Estupidez” e “Você Não Entende Nada”, sucessos radiofônicos na época. Robertinho viu de perto, nessa viagem, a composição de um clássico nacional da década de 1970, símbolo da chegada do movimento hippie ao Brasil, a música “Casa no Campo”. “Eu sempre acordava mais cedo. Quando estávamos em Goiânia, levantei e vi o Zé Rodrix e o Tavito cantando ‘Eu quero uma casa no campo…’.

Segundo Robertinho, foi a música de Milton Nascimento que o ajudou a criar o seu próprio estilo. “Tocando com o Milton, sempre tivemos muita liberdade. Eu ouvia muito jazz e bossa nova quando ele veio com essa música diferente, que soava sempre bonita, com muito compasso composto. E eu tinha uma formação ampla, com muita pesquisa em música brasileira. Eu colocava na música dele tudo o que conhecia, ritmicamente.” Robertinho se lembra do dia em que gravou a música “A Lua Girou” ao lado de Milton Nascimento – fato que demonstra essa liberdade dada pelo músico. “Todo mundo foi embora e eu fiquei. Quando ele começou a tocar, eu fui para a bateria e ele não falou mais nada.” O resultado ficou registrado no disco Geraes, de Milton Nascimento, lançado em 1976 pela Odeon.

Pelo mundo, raízes brasileiras

Em meados de 1970, o grupo Weather Report veio tocar no Brasil e Wayne Shorter procurou Milton Nascimento e a Som Imaginário. “Nós estávamos tocando e ele apareceu lá. Eu disse que ele era o meu ídolo e nós começamos uma amizade.” Dali para a carreira internacional foi um passo. Em 1975, Robertinho Silva foi chamado por Ailton Correia para participar de um projeto afro em Los Angeles. Ele fez uma exigência: “Só vou se for com o Luiz Alves”. E foram. Nos três anos seguintes, moraram em Los Angeles e trabalharam com a nata da cena jazzística norte-americana. “Tive grandes convites, toquei com o Ron Carter, com o Stan Getz. Fiquei amigo dos meus ídolos. Com o [baterista e percussionista] Airto Moreira comecei a circular em vários lugares, conheci bastante gente. Foi uma temporada muito boa. Mas, depois de um tempo, quando vi o Egberto Gismonti e o Hermeto Pascoal viajando pelo mundo e voltando para casa, eu pensei que queria o mesmo esquema.”

De volta ao Brasil, Robertinho Silva continuou o trabalho com Milton Nascimento, relação que durou mais de 25 anos. Em 1981, o músico finalmente debutou em um disco solo, da série lançada pela Philips chamada Música Popular Brasileira Contemporânea. Foi o primeiro dos nove álbuns assinados pelo instrumentista.

Em 2012, a banda Som Imaginário se reúne novamente e realiza uma série de shows, trazendo no repertório clássicos da própria banda e músicas do disco Milagre dos Peixes, gravado ao vivo com Milton Nascimento em 1974. Além dessa reunião, o músico ministra workshops pelo Brasil, sempre focado em espalhar sua pesquisa sobre os ritmos brasileiros. Para Robertinho Silva, os novos talentos da percussão têm de conhecer os diversos ritmos de seu país. “Uma vez, um músico caribenho me disse: ‘Nós, caribenhos, e vocês do Brasil temos obrigação de aprender os ritmos da terra!’ Concordo com ele e tento repassar isso para a molecada”, arremata. Veja abaixo o registro da autoral “Saudação ao Tambor”, gravada em São Paulo em agosto de 2011, no projeto Sesc Instrumental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Muito além da bossa nova

    No centenário de nascimento do multi-instrumentista Garoto, documentário joga luz sobre a sua obra

  2. “A MPB virou música alternativa”

    Leo Gandelman fala de seu novo disco e faz críticas ao tratamento dado à música popular

  3. Caixa Cubo lança seu primeiro álbum

    Música instrumental do baterista João Fideles e do pianista Henrique Gomide chega à França

  4. Ôctôctô do outro lado do Atlântico

    Saxofonista Luís Málaga comenta a experiência do grupo na Europa

  5. “Somos caçadores de sonhos perdidos”

    Zero Freitas conta histórias de sua coleção de 5 milhões de discos

  6. Beatles de lata e PVC

    Grupo Uakti interpreta clássicos do quarteto de Liverpool

  7. “Tem gente que diz assim: não é só tu que tá tocando”

    Sebastião Tapajós conta sua trajetória à Série +70 e relata impressões sobre seu disco Guitarra Criolla, de 1982

  8. João Parahyba: o tradicional e o moderno

    Registros das missões de Mário de Andrade estão entre as indicações do músico paulista

  9. Em SP, Néctar do Groove antecipa seu segundo CD

    Banda apresentou seu jazz nordestino no Instrumental Sesc Brasil

  10. Com a palavra a lenda do jazz

    Ron Carter fala com exclusividade ao Álbum sobre sua carreira, a relação com a música brasileira

  11. “Villa-Lobos é o pai da música brasileira contemporânea!”

    Mario Adnet comenta seu novo álbum, dedicado à obra do autor de "Trenzinho do Caipira"

  12. Imperfeições à Guinga

    Compositor carioca comenta seu primeiro álbum gravado somente com voz e violão

  13. O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada

    Norte-americano que trocou a guitarra pelo pandeiro, Scott Feiner fala ao Álbum

  14. “Música Eletrônica”, de Jorge Antunes, será relançado

    Disco de Jorge Antunes lançado em 1975 será relançado pelo selo Guerssen Records

  15. Gustavo Telles: uma pata em cada canoa

    Autobiografia de Tremendão está sobre o criado-mudo do baterista da Pata de Elefante

  16. “A gente pode fazer muita coisa pelo mundo afora”

    Guinga e Esperanza Spalding falam do 1º show conjunto

  17. Bossa nova no Carnegie Hall

    Em novo livro, Roberto Menescal revela bastidores da 1ª apresentação dos bossa-novistas nos EUA

  18. “Ser compositor de música erudita no Brasil é muito difícil”

    Criar a partir da união do folclore com a música clássica é a missão do maestro Yves Rudner Schmidt

  19. Nascimento parcelado

    Mês a mês, o violeiro Hugo Linns apresenta duas músicas de seu terceiro álbum

  20. Vitor Araújo: “Eu me desespero com o (disco) independente”

    Ouça o segundo álbum do pianista pernambucano

    1. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

    2. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

    3. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

    4. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    5. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

      1. Série Instrumento: Violão

        Seleção lista interpretações de Dilermando Reis, Rosinha de Valença, Vera Brasil, Geraldo Vespar e Sebastião Tapajós

      2. Série Instrumento: Baixo

        Playlist reúne os titulares do ritmo Luizão Maia, Luiz Chaves, Liminha, Jamil Joanes e Arthur Maia

      3. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera

      4. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      5. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      6. A música de Paulinho da Viola pela Escola do Auditório Ibirapuera

        Cinco formações da Escola interpretaram músicas do sambista e de outros artistas brasileiros

      7. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura

      8. Walter Garcia: “A interpretação do João é melancólica”

        Jornalista analisa a canção na música popular brasileira e destaca o papel de João Gilberto

      9. Dolores Duran

        A cantora Lulina narra a trajetória de uma das precursoras da bossa nova, dona de obra pioneira ao expressar os sentimentos da mulher

      10. Versões, sample e inspirações do Ben

        A música de Jorge Ben cantada por Dominguinhos, Skank, Les Etoiles, Racionais MCs e Emilio Santiago

      11. Fernanda Takai: “Gosto de pensar a música sem purismos!”

        Em programa de 2008, cantora analisa seu voo solo e indica Lucy and the Popsonics e Roberto Carlos

      12. Ed Lincoln, o rei dos bailes

        Playlist compila faixas de todos os álbuns do maestro do balanço

      13. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      14. Série Instrumento: Piano

        Obras e interpretações de Dick Farney, Laércio de Freitas, Tania Maria, Benjamim Taubkin e Guilherme Vergueiro

      15. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello

      16. Almir Chediak – Songbooks (1991–1995)

        Registros dos álbuns que celebraram obras de Tom Jobim, Carlos Lyra, Dorival Caymmi, Vinicius e Ary Barroso

      17. Almir Chediak – Songbooks (1996–2003)

        Seleção com músicas dos songbooks de Chediak demonstram pluralidade na escolha dos intérpretes

      18. Sem bandleader

        O rock instrumental brasileiro, de Os Incríveis a Pata de Elefante e Macaco Bong

      19. Almir Chediak – Produtor

        Playlist reúne faixas de álbuns produzidos pela Lumiar Discos. Com João Nogueira, Rosa Passos e João Donato

      20. Hermeto Pascoal no Auditório Ibirapuera

        Hermeto Pascoal e Grupo realizaram apresentação recheada de improvisações