//seções//notas

Toninho Ferragutti: “Tem de cuidar do seu próprio quintal”

Acordeonista fala de seu novo CD e do papel do músico na era da internet

texto Itamar Dantas

O acordeonista e compositor Toninho Ferragutti. Foto: divulgação

O acordeom e o sorriso largo de Toninho Ferragutti são velhos conhecidos dos ouvintes de música instrumental brasileira. Além de seu trabalho autoral, suas notas ressoam em discos de figuras como Gilberto Gil, Tom Zé, Chico Buarque e Antônio Nóbrega. No dia 30 de novembro de 2012, o músico apresentou no Auditório Ibirapuera, em São Paulo, o repertório de seu novo disco, O Sorriso da Manu.

Os temas do álbum foram compostos como trilha sonora para o espetáculo de dança Grupo Luceros Dança Toninho Ferragutti, dirigido por Clarisse Abujamra. O ritmo predominante na obra é o flamenco – no qual Ferragutti assume sua falta de fluência. Mas, com a experiência na música popular, o trabalho foi tomando consistência nos ensaios, durante os arranjos e por meio das participações especiais. “A música flamenca tem apenas três ou quatro acordes. Nós pegamos a célula rítmica e fomos levando às últimas consequências”, explica o músico.

Os arranjadores foram Edson José Alves, Rodrigo Morte, Neymar Dias, Alexandre Mihanovitch e Adail Fernandes. O CD foi gravado ao vivo no teatro Fecap, em São Paulo, em apenas três sessões de seis horas de duração. “Eu queria que o disco fosse mais quente, por isso a gravação ao vivo”, conta.

No Auditório, o músico se apresentou acompanhado dos instrumentistas Alexandre Ribeiro (clarinete), Beto Angerosa (percussão), Zé Alexandre Carvalho (contrabaixo acústico), Paulo Braga (piano) e do quarteto de cordas formado por Ricardo Takahashi, Liliana Chiriac (violinos), Adriana Schincariol (viola) e Raiff Dantas Barreto (violoncelo). O nome do disco, e do show, é uma homenagem à sua filha caçula, Manuela.

Com essa formação quase erudita para o show (Ferragutti a define como “miniorquestra”), a improvisação – uma das características de suas apresentações – ficou em segundo plano para dar lugar a arranjos já estabelecidos. “Na minha música, gosto de ter a possibilidade de improvisar. Com toda essa estrutura que montamos, ficou um pouco mais difícil. Mas, com o passar do tempo e fazendo outras apresentações, vamos abrindo esse espaço para a improvisação…”

Com mais de 20 anos de estrada, o músico revela otimismo em relação ao espaço dado para projetos instrumentais no Brasil. Em tempos de internet e redes sociais, o papel do músico mudou, tornando-se responsável não somente pelo trabalho artístico, mas também por sua divulgação. “Eu acho que é necessário saber cada vez mais onde está seu público e onde sua música pode ser divulgada. Tem de cuidar do seu próprio quintal, e cuidar direito. A boa notícia é que hoje as coisas estão mais fáceis. Faço música instrumental, e faço com prazer, então, não tem jeito. Tem de fazer um ótimo trabalho e achar formas pelas quais ele chegue às pessoas”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Marco Pereira revitaliza obra de Dilermando Reis

    Disco "Dois Destinos" traz arranjos modernos e improvisação às composições do violonista seresteiro

  2. O fole e as cordas

    Marco Pereira e Toninho Ferragutti lançam álbum conjunto em que revisitam suas obras em violão e acordeão

  3. Com a ajuda do acaso

    Banda Entrevero Instrumental prepara segundo álbum com participação de Hermeto Pascoal

  4. Musicalidade fluida com profundidade ancestral

    André Ricardo, do Höröyá, fala da interseção cultural entre Brasil e África promovida pelo grupo

  5. Diálogos musicais para além-mar

    Projeto Casa de Bamba reúne os pianistas André Mehmari e Mário Laginha. Confira a entrevista

  6. O violão solo de Alessandro Penezzi em disco

    Músico reconhecido pelo seu virtuosismo lança Dança das Cordas

  7. O primeiro voo autoral de Badi Assad

    Cantora e violonista fala de seu álbum Amor e Outras Manias Crônicas

  8. Muito além da bossa nova

    No centenário de nascimento do multi-instrumentista Garoto, documentário joga luz sobre a sua obra

  9. “Ficar preso à história oficial é uma coisa perigosa”

    Livro de Amaral Júnior traz pesquisa inédita sobre a história do choro em São Paulo

  10. “A MPB virou música alternativa”

    Leo Gandelman fala de seu novo disco e faz críticas ao tratamento dado à música popular

    1. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    2. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

    3. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

    4. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

    5. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

      1. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera

      2. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      3. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      4. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello

      5. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      6. Sem bandleader

        O rock instrumental brasileiro, de Os Incríveis a Pata de Elefante e Macaco Bong

      7. Hermeto Pascoal no Auditório Ibirapuera

        Hermeto Pascoal e Grupo realizaram apresentação recheada de improvisações

      8. A música de Paulinho da Viola pela Escola do Auditório Ibirapuera

        Cinco formações da Escola interpretaram músicas do sambista e de outros artistas brasileiros

      9. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura

      10. Nana Caymmi, Cartola e Marcos Valle

        Sétimo Mergulho no Escuro traz ainda Mutantes e finaliza com o disco mais recente de Marcos Valle