//seções//notas

Thiago França e a malandragem paulistana

Novo álbum do saxofonista homenageia conto de João Antônio: Malagueta Perus e Bacanaço

texto Itamar Dantas

Thiago França no ambiente do conto Malagueta, Perus e Bacanaço, de João Antônio. Foto: Itamar Dantas

Malagueta, Perus e Bacanaço são três malandros que saem pela noite paulistana de mesa em mesa de sinuca atrás de dinheiro e jogatina. Os personagens são do conto homônimo escrito por João Antônio há 50 anos, obra revisitada agora no novo álbum de Thiago França.

Rodrigo Campos foi quem apresentou o escritor a Thiago França. À época, em 2010, a dupla fazia uma gafieira no bar Ó do Borogodó, em São Paulo, e Thiago fez o primeiro tema baseado no conto. “No mesmo dia que terminei de ler, eu fiz ‘Malagueta, Perus e Bacanaço’, já levei lá e o Rodrigo me incentivou a levar isso pra frente. No primeiro mês, com o impacto do livro, já vieram mais três temas: ‘São Paulo de Noite’, ‘Tema do Carne Frita’ e ‘De Volta à Lapa’.”

Dali, já começava a se esboçar um trabalho mais complexo baseado na obra literária. Em 2011, a gafieira acabou e Thiago França, envolvido em outros projetos, teve de deixar o disco para depois. Mais tarde vieram as vinhetas de cada personagem e os convites para que seus amigos também dessem suas visões para a obra. Kiko Dinucci, Rodrigo Campos, Rômulo Fróes e Rodrigo Ogi somaram aos temas instrumentais de Thiago França canções que também tratam de aspectos do conto.

França é responsável por oito composições, três baseadas nos personagens principais: o samba “Picardia” foi para Bacanaço, o malandro mais tradicional, bem vestido, com anéis de ouro e outras pompas; já para Malagueta, o malandro mais velho, maltrapilho que pede esmolas e faz a vida na sinuca, foi o free jazz “Fome”; e Perus, talentoso jovem jogador que quer fazer a vida nos jogos da Vila Alpina, ganhou o tema “Nostalgia”. “Tinha uma vontade disso, de reproduzir o universo do livro como se fosse uma trilha sonora”, conta Thiago França.

A obra do escritor e jornalista João Antônio (SP 1937 – RJ 1996) já ganhou as telas do cinema por Maurice Capovilla em O Jogo da Vida (1977), com trilha sonora assinada por João Bosco e Aldir Blanc, compositores próximos do universo do bilhar. Para não ser influenciado, Thiago França nem chegou a ouvir a trilha. “A gente que vem do samba de São Paulo tem um ambiente muito familiar das coisas de periferia, com essa malandragem menos ostensiva e menos maliciosa do que o samba dos cariocas. Todos os projetos que a gente faz têm uma própria crueza, uma reverência a esse lugar menos óbvio, essa coisa das figuras do cotidiano tendo São Paulo como pano de fundo”, revelou França.

Acompanham França no disco Malagueta, Perus e Bacanaço Anderson Quevedo (sax barítono), Amilcar Rodrigues (trompete, flughel), Didi Machado (trombone), Welington “Pimpa” Moreira (bateria, percussão), Marcelo Cabral (baixo), Rodrigo Campos (cavaquinho, guitarra, violão, locução, voz) e Kiko Dinucci (guitarra, voz, violão, percussão). Daniel Ganjaman, Rodrigo Ogi, Juçara Marçal, Romulo Fróes e Maurício Pereira formam o time de convidados especiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. A Bahia metafórica de Rodrigo Campos

    Cantor e compositor paulista fala sobre seu segundo álbum, Bahia Fantástica

  2. Tons do desconforto

    A morte é o tema predominante no disco de estreia da cantora Juçara Marçal

  3. “A Mulher do Fim do Mundo é a que vai permanecer”

    Uma das cantoras mais contundentes da atualidade, Elza Soares relembra capítulos importantes de sua carreira

  4. As vozes de Péricles

    Arrigo, Luisa Maita, Lurdez da Luz, Jeneci e outros cantam em novo álbum de Péricles Cavalcanti

  5. Amor entre Pará e SP

    Natália Matos lança o seu primeiro disco

  6. Os dois primeiros discos de 2013

    Na virada do ano, os músicos Kiko Dinucci e Thiago França publicam na rede seus novos trabalhos

  7. Da tradição para outro lugar

    Em A Carne das Canções, Marcelo Pretto e Swami Jr. fogem ao convencional na relação entre cantor e instrumentista

  8. De volta à manada

    Com o novo disco, Cambaco, Vicente Barreto encerra hiato de dez anos sem gravar, com novos parceiros

  9. Qual é a boa de hoje?

    Novo álbum do Passo Torto é uma das dicas das idealizadoras do site Uia Diário

  10. Bahia, samba e baião de dois

    Dicas de Cacá Machado vão do samba real de Rodrigo Campos ao ficcional de Paulo Lins

    1. Rumos Música Coletivo – Mujangué

      Terceiro ensaio do grupo de Antonio Loureiro, Arismar do Espírito Santo, Chico Correa, Tiago de Moura e Zé Jarina

      1. Primeiro semestre em 18 discos

        Seleção contempla Passo Torto, Edi Rock, Andreia Dias, Wilson das Neves, Guilherme Arantes e Antonio Adolfo

      2. Elza Soares em A Mulher do Fim do Mundo

        Elza Soares apresenta o álbum A Mulher do Fim do Mundo no Auditório Ibirapuera

      3. Sambando no trem

        O trem é um dos protagonistas das músicas de Moreira da Silva, Chico Buarque, Kiko Dinucci e Joyce

      4. O som que fez o som do Metá Metá

        Os músicos do Metá Metá - Kiko Dinucci, Juçara Marçal e Thiago França - indicam, cada um, cinco músicas que lhes ensinaram liberdades novas