//seções//notas

Suingues minimalistas

Vitor Santana, João Pires e Marcos Suzano apresentam em São Paulo as suas conexões com o Brasil, Cabo Verde e Portugal

texto Itamar Dantas

Vitor Santana (esq.), Marcos Suzano e João Pires. À direita, a capa do disco Coladera. Foto: Vinicius Ribeiro

Coladera é um ritmo tradicional de Cabo Verde que, atravessando o Atlântico, veio dar nome ao novo álbum de Vitor Santana, João Pires e Marcos Suzano. Não somente dá nome, como também a liga para a proposta do disco de conectar a música brasileira às tradições portuguesas e cabo-verdianas.

A miscelânea vem das influências dos músicos. João Pires é português e visitava Cabo Verde com muita frequência quando morava em sua terra natal. Assim, trouxe o violão ibérico de  Portugal e ritmos como a coladera e a morna da ilha. Já Vitor Santana, em seu álbum solo, Beirute (2010), percorria caminhos para fora do território nacional em busca de outras referências musicais. Percorreu a África e a Europa à frente da Sociedade Internacional de Música, quando incorporou uma série de tradições ao seu som. E Marcos Suzano, importante percussionista brasileiro, traz um misto de pontes que faz a ligação com os dois universos. “A gente uniu o violão ibérico dele, música brasileira minha e o Marcos Suzano, que é um monstro”, conta Vitor Santana.

João Pires veio morar no Brasil em meados de 2010 e se instalou durante um ano e meio na casa de Vitor, em Belo Horizonte. Dali surgiram uma série de composições que integram o álbum. Ouvindo o disco, percebe-se a integração entre a música brasileira e os ritmos cabo-verdianos, que, para além de meras semelhanças, encontram suas raízes na história dos dois países. “Cabo Verde não era habitada antes de os portugueses chegarem lá. É uma mistura de portugueses com negros; tornou-se um lugar de comércio de escravos. É como se faltasse uma perna indígena ali para ser um Brasil. Se você ouvir os ritmos, a morna é quase um samba-canção”, diz Santana.

A  coladera é sucedida pelo samba “Antropologia da Malandragem”, sem grande alarde na mudança dos ritmos. E assim o álbum é construído, alternando menções dos três continentes, com um aspecto em comum: o suingue. ”O disco é muito suingado, não é um suingue batidão, tipo Olodum, é um suingue minimalista. Isto tem acontecido nos shows: quando vem esse ritmo meio africano, se você balançar o ombro sem perceber é porque o trem tá bão!”, garante o mineiro.

O trio apresenta Coladera em São Paulo nos dias 8 e 9 de fevereiro, na Casa do Núcleo. Para outras informações, acesse o site da Casa do Núcleo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada

    Norte-americano que trocou a guitarra pelo pandeiro, Scott Feiner fala ao Álbum

  2. Seguindo os passos de Mangoré

    Com show e disco, Berta Rojas e Paquito D'Rivera homenageiam Agustín Barrios

  3. Ôctôctô do outro lado do Atlântico

    Saxofonista Luís Málaga comenta a experiência do grupo na Europa

  4. Edmundo Villani-Côrtes é homenageado em CD

    Obra é revisitada pela pianista Karin Fernandes; disco traz peça criada para o projeto

  5. “Tem gente que diz assim: não é só tu que tá tocando”

    Sebastião Tapajós conta sua trajetória à Série +70 e relata impressões sobre seu disco Guitarra Criolla, de 1982

  6. João Parahyba: o tradicional e o moderno

    Registros das missões de Mário de Andrade estão entre as indicações do músico paulista

  7. “Nós fomos a resistência do choro”

    A trajetória de uma das figuras centrais do choro paulistano: Izaías do Bandolim

  8. Caixa Cubo lança seu primeiro álbum

    Música instrumental do baterista João Fideles e do pianista Henrique Gomide chega à França

  9. Imperfeições à Guinga

    Compositor carioca comenta seu primeiro álbum gravado somente com voz e violão

  10. Beatles de lata e PVC

    Grupo Uakti interpreta clássicos do quarteto de Liverpool

    1. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

    2. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

    3. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

    4. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    5. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

      1. A música de Paulinho da Viola pela Escola do Auditório Ibirapuera

        Cinco formações da Escola interpretaram músicas do sambista e de outros artistas brasileiros

      2. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura

      3. Série Instrumento: Violão

        Seleção lista interpretações de Dilermando Reis, Rosinha de Valença, Vera Brasil, Geraldo Vespar e Sebastião Tapajós

      4. Série Instrumento: Baixo

        Playlist reúne os titulares do ritmo Luizão Maia, Luiz Chaves, Liminha, Jamil Joanes e Arthur Maia

      5. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera

      6. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      7. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      8. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello

      9. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      10. Sem bandleader

        O rock instrumental brasileiro, de Os Incríveis a Pata de Elefante e Macaco Bong