//seções//notas

“Se algo me aproxima de Ney, é a vontade de traçar o meu caminho”

Filipe Catto grava seu primeiro CD e DVD ao vivo no Auditório Ibirapuera em fevereiro

texto Itamar Dantas

Filipe Catto diz que DVD é oportunidade de mostrar sua performance no palco. Foto: divulgação

O cantor Filipe Catto sobe ao palco do Auditório Ibirapuera nos dias 2 e 3 de fevereiro para a gravação de seu primeiro CD e DVD ao vivo, com repertório que abrange músicas de seu primeiro disco, Fôlego, lançado em 2011, e outros clássicos da MPB.

Para Catto, o projeto é de suma importância para a sua carreira, já que lhe permite expor uma de suas características artísticas mais marcantes: “Este DVD é um projeto no qual estou me dedicando muito, porque é nele que eu consigo mostrar uma das minhas principais facetas, que é a performance no palco. Com o olhar do diretor ainda, acho que o vídeo vai revelar muitas coisas”.

O cantor lançou o seu primeiro EP on-line em 2009 e, graças ao sucesso que obteve com a divulgação pela internet, em 2011 já apresentou o primeiro álbum, que o levou à visibilidade nacional. “Lançar por uma gravadora foi muito por conta do boca a boca. Antes mesmo de eu gravar o primeiro disco, as pessoas já iam aos shows, acompanhavam o meu trabalho”, conta o músico.

Contratenor, com uma voz incomum entre cantores de sua geração, Catto foi, desde o início de sua carreira, comparado a Ney Matogrosso pelas semelhanças de timbre. Sem desdenhar ou corroborar a comparação, o músico garante que as semelhanças ficam somente no quesito vocal, e que o ex-Secos & Molhados não chega a ser uma referência para seu estilo de cantar. “Essa coisa do timbre e do palco não passam necessariamente por referências. Eu não fiquei treinando minha voz, é uma característica natural, minha. Isso de ficar projetando o artista novo em cima de um artista antigo só o tempo vai corrigir. Outro dia, eu vi uma entrevista do próprio Ney Matogrosso falando sobre a trajetória dele. Ele dizia que o que o impulsionou na carreira foi a necessidade de buscar o próprio espaço, criar um caminho próprio. Se algo me aproxima dele, é a vontade de traçar o meu próprio caminho”, defende o cantor.

No repertório do show estão músicas de seu primeiro disco e ainda clássicos da MPB de diversas gerações. Exemplo disso é o medley que mistura Karina Buhr, Paulo Vanzolini e Gonzaguinha. “Vou cantar desde músicas minhas a de outros autores que gosto. Quero revelar um universo. Tem uma música linda do Ednardo, ‘Alazão’. Também vou cantar ‘Luz Negra’, do Nelson Cavaquinho. Nós nos preocupamos em complementar o show com referências bastante cênicas e com um roteiro que vá além das músicas do disco”, finaliza Catto.

SERVIÇO
Onde: Auditório Ibirapuera (Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n)
Datas: 02 e 03 de fevereiro de 2013
Horário: Sábado, 21h; domingo, 19h
Duração: 90 minutos (aproximadamente)
Classificação indicativa: Livre para todos os públicos
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)
Informações: www.auditorioibirapuera.com.br / 11 3629-1075 ou info@auditorioibirapuera.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Crowdfunding viabiliza novo disco de Vitor Ramil

    “Penso que funciona porque há uma combinação natural entre negócio justo e convicção ideológica”, afirma músico gaúcho

  2. “O cenário independente brasileiro está cada vez melhor”

    A opinião é de Arthur Pessoa, vocalista da banda Cabruêra

  3. O Brasil pode ser um país de ouvintes?

    Jornalista discute a importância da circulação da música fora de suas regiões de origem

  4. Na esteira do tropicalismo

    Músico lança primeiro disco dando continuidade à estética criada pelos tropicalistas

  5. Rua Teodoro Sampaio, 1091

    Dirigido por um de seus fundadores, Riba de Castro, documentário conta a história do teatro Lira Paulistana

  6. Para estranhar

    Segundo disco de Iara Rennó traz power trio com sonoridade pop, pero no mucho

  7. Ao sabor do novo

    Lenine, Itamar e Paulinho da Viola convivem ao lado de Criolo e Vitor Pirralho em novo disco de Ney Matogrosso

  8. De volta ao presente

    Musicoteca é um site em que é possível baixar os álbuns produzidos nos anos 2000 de figuras como Curumin e Eddie

  9. “Fazemos uma caricatura do que acontece”

    Guitarrista da banda Velhas Virgens fala de mercado, mídia e machismo

  10. A indústria da música como “laboratório”

    Como as tecnologias digitais têm transformado a cadeia produtiva da música

    1. Filipe Catto

      Trecho do show de lançamento de seu 1º disco, com temas autorais como Saga, da novela Cordel Encantado

    2. Pena Schmidt: “Marcus Pereira desapareceu do radar, sumiu!”

      Para o produtor, acervo da gravadora que lançou o 1º LP de Cartola deve ser redescoberto

      1. Trava-línguas e algumas emboladas

        Com Carmen Miranda, Jararaca e Ratinho, Alceu Valença e outros velocistas vocais

      2. Los Porongas no Auditório Ibirapuera

        Grupo acriano apresentou canções de seu último álbum, Infinito Agora

      3. Breno Ruiz no Auditório ibirapuera

        O pianista, compositor e cantor apresentou o lançamento de seu novo trabalho, Cantilenas Brasileiras

      4. Especial Kuarup Disco (Parte 1)

        Criada no fim dos anos 1970 por Mário de Aratanha e Janine Houard, gravadora foi reduto de artistas independentes, como Elomar e Sivuca

      5. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura

      6. Especial Marcus Pereira

        Pena Schmidt apresenta discos que garantiram fama e pioneirismo à gravadora nos anos 1970

      7. Brega? Pop? Cult? Kitsch!

        Seleção musical com Céu, Marisa Monte, Criolo, Filipe Catto, Peri Pane, Karina Buhr, Lucas Santanna e outros