//seções//notas

Os dois primeiros discos de 2013

Na virada do ano, os músicos Kiko Dinucci e Thiago França publicam na rede seus novos trabalhos

texto Itamar Dantas

Dada Radio Session, de Kiko Dinucci (e.), e FunFun Sessions, de Thiago França. Fotos: reprodução

Enquanto milhões comemoravam a virada de ano no Brasil, os músicos Kiko Dinucci e Thiago França lançaram ao mesmo tempo, à meia-noite, seus novos discos: Dada Radio Session e FunFun Sessions, respectivamente. Os álbuns foram ao ar sob o nome “Duas Sessões”.

As gravações de Dinucci surgiram de um convite para participar do programa on-line Reverb Net Labels, da rádio virtual Dada Radio, produzido por Amadeu Zoe. São três músicas de autoria do músico paulistano, que já constavam em seu repertório, mais uma livre improvisação homônima, que inicia o miniálbum. “Inventamos o primeiro tema juntos, na hora, sem saber o que aconteceria; as demais faixas são temas meus que já tocávamos em shows. Fiz muitos shows com o Thiago (França) e o Serginho, com sax, violão e bateria. Nunca ensaiávamos. Havia muita criação na hora, a química e o diálogo sempre rolaram bem”, conta Dinucci.

FunFun Sessions é resultado de uma proposta de Thiago França para improvisação em cima de um tema chamado “Ngolxi”, inspirado em uma reza do candomblé Angola para o orixá Lembá (equivalente a Oxalá). França fez a primeira gravação com Kiko Dinucci, mas ainda pretende explorar esse mesmo tema diversas vezes com outros músicos e colocá-lo na internet.

Em 2012, além de lançarem o álbum MetaL MetaL, com o trio Metá Metá que formam com a cantora Juçara Marçal, Kiko Dinucci e Thiago França acumularam participações em álbuns de amigos. Dinucci participou de mais de dez discos e Thiago França lançou três discos (Sambanzo, MarginaLs e MetaL MetaL) e participou de mais sete.

A intensa produção da dupla faz parte de uma nova forma de encarar o mercado independente. Sem a necessidade de fazer um disco convencional, com encarte e mais de dez músicas entrelaçadas, a dupla defende e protagoniza um novo modelo de posicionamento no mercado fonográfico. “Estamos pensando muito no formato de lançamento de discos. Temos vontade de lançar mais coisas neste ritmo vertiginoso e fora dos padrões do mercado. É algo mais despretensioso. Já não pensamos mais o que é projeto paralelo, autoral, solo; pensamos em arte  e podemos incluir todos os formatos na nossa discografia. Costumo não separar ou criar fronteiras entre os trabalhos”, revela Dinucci.

Thiago França faz coro às palavras do amigo. E, quanto à estratégia de lançar os dois álbuns em um feriado, durante os festejos de fim de ano, o soprista afirma que é um dos aspectos dessa liberdade, de fazer o que querem com o próprio trabalho, sem se preocuparem se está certo ou errado. “Se você for ver, a gente faz tudo errado: lançou os discos à meia noite do dia primeiro de janeiro. É um tiro no pé! Mas até isso tem um significado: é essa nossa liberdade de fazer as coisas. Se não é o melhor dia, o melhor horário, não tem problema, a preocupação não é essa; a gente não tem esse imediatismo.”

Ainda nos primeiros meses de 2013, Kiko Dinucci pretende lançar mais um disco da banda Passo Torto e um autoral, chamado Cortes Curtos. Já Thiago França garante que o ano que se inicia será de consolidação do modelo de produção talhado pelos músicos. “2013 vai ser um ano de mais liberdade ainda. Detesto bagunçar o iPod alheio, mas, cada vez mais, as coisas vão ter o formato que elas precisam ter. Se for para lançar uma música só, vai ser isso.”

O download dos discos é gratuito e pode ser feito pelo blog do saxofonista, que conta com toda a sua discografia para baixar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Tons do desconforto

    A morte é o tema predominante no disco de estreia da cantora Juçara Marçal

  2. Na íntegra, on-line

    Seleção traz 25 discos de 2012 disponibilizados pelos próprios artistas para download ou audição on-line

  3. Thiago França e a malandragem paulistana

    Novo álbum do saxofonista homenageia conto de João Antônio: Malagueta Perus e Bacanaço

  4. “Música Eletrônica”, de Jorge Antunes, será relançado

    Disco de Jorge Antunes lançado em 1975 será relançado pelo selo Guerssen Records

  5. O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada

    Norte-americano que trocou a guitarra pelo pandeiro, Scott Feiner fala ao Álbum

  6. “A gente pode fazer muita coisa pelo mundo afora”

    Guinga e Esperanza Spalding falam do 1º show conjunto

  7. Gustavo Telles: uma pata em cada canoa

    Autobiografia de Tremendão está sobre o criado-mudo do baterista da Pata de Elefante

  8. Nascimento parcelado

    Mês a mês, o violeiro Hugo Linns apresenta duas músicas de seu terceiro álbum

  9. 27 discos do primeiro semestre de 2016

    Do instrumental ao pop, 27 discos lançados até agora em 2016 mostram a diversidade da música nacional

  10. “Villa-Lobos é o pai da música brasileira contemporânea!”

    Mario Adnet comenta seu novo álbum, dedicado à obra do autor de "Trenzinho do Caipira"

    1. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

    2. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

    3. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    4. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

    5. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

      1. O som que fez o som do Metá Metá

        Os músicos do Metá Metá - Kiko Dinucci, Juçara Marçal e Thiago França - indicam, cada um, cinco músicas que lhes ensinaram liberdades novas

      2. Série Instrumento: Violão

        Seleção lista interpretações de Dilermando Reis, Rosinha de Valença, Vera Brasil, Geraldo Vespar e Sebastião Tapajós

      3. Sambando no trem

        O trem é um dos protagonistas das músicas de Moreira da Silva, Chico Buarque, Kiko Dinucci e Joyce

      4. Série Instrumento: Baixo

        Playlist reúne os titulares do ritmo Luizão Maia, Luiz Chaves, Liminha, Jamil Joanes e Arthur Maia

      5. Elza Soares em A Mulher do Fim do Mundo

        Elza Soares apresenta o álbum A Mulher do Fim do Mundo no Auditório Ibirapuera

      6. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera

      7. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      8. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      9. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello

      10. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango