//seções//notas

Os filhos cantam Caymmi

Álbum em homenagem ao centenário do músico baiano traz Dori, Nana e Danilo cantando obras menos conhecidas do pai

texto Itamar Dantas

A capa do disco traz um autorretrato de Dorival. À direita, os irmãos Dori, Nana e Danilo Caymmi. Foto: Sylvia Gostonyi

Em 2013, Dori Caymmi começou a pensar no projeto com que daria início às celebrações do centenário de seu pai, Dorival Caymmi,  a ser comemorado em 30 de abril de 2014. Foi buscar em um livro de 1947, Cancioneiro da Bahia, músicas de Dorival menos gravadas, para reavivar a obra paterna com novas interpretações. Selecionou as canções, fez os arranjos e entrou em contato com os irmãos, Danilo e Nana, para que escolhessem as músicas que quisessem registrar no álbum. “O quase ineditismo de todas as gravações e a fidelidade à música dele foi o que norteou o trabalho”, garante Dori.

No repertório, havia músicas que remontavam à infância dos irmãos, canções que Dorival cantarolava quando ainda eram crianças. Segundo Dori, isso trouxe grande emoção às gravações. “Foi um disco difícil; tem muitas coisas mais próximas da nossa infância. Entram músicas mais do tempo antigo, do tempo em família. O brasileiro tem uma memória muito curta. Queríamos retomar a memória de trabalhos do velho menos conhecidos.”

Canções como “Balaio Grande” e clássicos praianos do compositor baiano estão presentes, como “Sereia”, “Rainha do Mar” e “Itapoã”. Na voz de Nana, “Francisco Santos das Flores” se torna um fado, com direito ao sotaque lusitano. Já Dori e Danilo dividem as vozes em “Roda Pião” e “Cantiga de Cego”. O disco foi gravado no Brasil, entre São Paulo e Rio de Janeiro, e masterizado em Los Angeles, onde mora Dori.

>> LEIA TAMBÉM: DORIVAL CAYMMI NAS ONDAS DO RÁDIO

>> OUÇA O ESPECIAL CARMEN MIRANDA

Nos arranjos, o violão de Dorival Caymmi, com seu suingue característico, é revivido por Dori, que estudou a batida do pai para recriar o trabalho com fidelidade. “Estudei o violão como a ideia original dele. O Baden Powell tentou fazer o suingue dele no violão e falava que era muito difícil. Ele tinha uma coisa diferente, usava o dedo mínimo. Muita gente já tentou e não conseguiu esse suingue”, conta o primogênito.

Entre os outros projetos para o centenário de Dorival está em produção um livro de partituras, que virá acompanhado do relançamento de um disco de Caymmi, com canções praieiras lançado na década de 1950. E também o projeto de um álbum em que músicos baianos vão cantar músicas do Algodão – como o compositor também era conhecido – com Dori ao violão. “Não quero dar espaço pra nego querer criar demais. Quero manter esse clima do trabalho dele, violão e voz, bem simples. Isso englobaria cantoras como Ivete Sangalo, Margareth Menezes e Gilberto Gil”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Poesia que vai da Itália ao samba

    O pianista André Mehmari recomenda o que ler, ouvir, ver e visitar

  2. A composição nua

    Em Rimanceiro, sétimo álbum solo de Sérgio Santos, músico celebra 20 anos de parcerias com Paulo César Pinheiro

  3. “Fui embora para os Estados Unidos por falta de espaço”

    Dori Caymmi comenta sua carreira em entrevista à série +70

  4. Mar e outras praias

    Neta de Dorival, cantora Alice Caymmi lança seu primeiro disco, que inclui músicas autorais e versões

  5. Martinho da Vila em áudio, vídeo e partituras

    SambaBook celebra o bamba em plataformas multimídia

  6. Caymmi nas ondas do rádio

    Livro baseado em memórias do compositor refaz o percurso da música nos anos 1930, 1940 e 1950

  7. “Para evoluir é importante arriscar”

    Silva fala de seu terceiro álbum, "Júpiter"

      1. Canções praieiras revisitadas

        Álbum reúne canções praieiras de Dorival interpretadas por outros cantores

      2. Carmen Miranda

        Três episódios refazem o percurso da cantora brasileira de maior renome internacional. Por Arícia Mess

      3. Gil, o herege (versões originais)

        As inspirações do tropicalista Gilberto Gil: Dorival Caymmi, Jimi Hendrix, Luiz Gonzaga e Steve Winwood

      4. Almir Chediak – Songbooks (1991–1995)

        Registros dos álbuns que celebraram obras de Tom Jobim, Carlos Lyra, Dorival Caymmi, Vinicius e Ary Barroso

      5. Almir Chediak – Produtor

        Playlist reúne faixas de álbuns produzidos pela Lumiar Discos. Com João Nogueira, Rosa Passos e João Donato