//seções//notas

“Villa-Lobos gostava muito de nós”

Os Cariocas contam um pouco de sua longa trajetória na música popular brasileira

texto Itamar Dantas

A atriz Lúcia Veríssimo ao lado do pai, o Maestro Severino, e de outros três integrantes d’Os Cariocas. Foto: Itamar Dantas

Os Cariocas é um dos mais antigos grupos musicais em atividade no Brasil. Formado no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, em 1942, o conjunto vocal inicia a carreira profissional cantando na Rádio Nacional em 1946, no programa “Um Milhão de Melodias” sob a regência de Radamés Gnattali. Dois anos depois, grava em disco pela primeira vez, um 78 rotações com as canções “Nova Ilusão”, de Luís Bittencourt e José Menezes, e “Adeus América”, de Geraldo Jacques e Haroldo Barbosa.

Formado originalmente por Ismael Netto (arranjador, primeira voz e violão), Severino Filho (segunda voz e percussão), Emmanoel Furtado, o Badeco (terceira voz e violão), Waldir Viviani (percussão e quinta voz) e Jorge Quartarone, o Quartera (quarta voz e percussão), o grupo – que passa por diversas escalações depois da morte de Ismael Netto em 1956 – é integrado Elói Vicente (violão e voz), Neil Carlos Teixeira (baixo e voz), Fábio Luna (bateria e voz) e por seu único remanescente, Severino Filho (piano, arranjos e voz).

Agora, para comemorar 70 anos de estrada e 50 anos da apresentação do clássico “Garota de Ipanema” – revelado ao público em agosto de 1962 durante um show na casa Au Bon Gourmet, no Rio de Janeiro –, os Cariocas subiram no palco do Auditório Ibirapuera com o espetáculo “Os Cariocas Abraçam São Paulo”. No repertório, além do clássico de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, sucessos da carreira e canções de paulistas, como as de Toquinho e Eduardo Gudin. O show contou com a atriz Lúcia Veríssimo – filha do maestro Severino –, que anunciou e contou histórias de algumas canções do quarteto vocal.

Em entrevista exclusiva ao Álbum, Os Cariocas contam fatos curiosos de sua trajetória e, em homenagem a Tim Maia, que faria 70 anos em setembro, relembram a gravação com o “Síndico” [disco Os Amigos do Rei, 1996].

ÁLBUM – Está completando 50 anos da primeira apresentação de “Garota de Ipanema”. Vocês a cantaram ao lado de Tom Jobim, João Gilberto e Vinicius de Moraes em 1962. Como foi essa história?
Maestro Severino - 
O Tom e o Vinicius já tinham lançado algumas músicas juntos. Eles estavam sentados no bar Veloso e viram a Helô Pinheiro passar. E aí tiveram a ideia da música. Eles falaram que a escreveram em um guardanapo, porque não tinham papel na hora. Nós preparamos a canção para cantar no Au Bon Gourmet [clube carioca do bairro de Copacabana]. Estávamos Os Cariocas, o Tom Jobim, o Vinicius de Moraes, o João Gilberto e também o Milton Banana na bateria e o Otávio Bailly no contrabaixo. Na plateia, 90% do pessoal estava vestido de terno e gravata, porque o Vinicius era diplomata.Verdadeiramente, fomos os primeiros a cantar essa música. O negócio bombou. Depois que fechou o Au Bon Gourmet, a bossa nova foi para o Beco das Garrafas [Copacabana, RJ]. Aqui em São Paulo, foi para o Teatro Paramount, para a TV Record… O (programa) “Fino da Bossa”, com a Elis Regina e o Jair Rodrigues, também teve papel importante na divulgação da bossa.

>> VEJA o hotsite 50 Anos de Bossa Nova

Na época havia outros grupos vocais. O que diferenciava Os Cariocas?
Severino - 
Aqui em São Paulo tinha um grupo maravilhoso de seis deficientes visuais, Titulares do Ritmo, nossos amigos. O Demônios da Garoa também é muito bom. Havia também outros conjuntos, como Garotos da Lua, Trio Irakitan, Quatro Ases e um Coringa… Foi uma época muito boa. Agora não tem quase ninguém. Acabamos de perder o Magro, do MPB-4. Um rapaz muito competente, fazia arranjos vocais e também sabia escrever para orquestra. Tínhamos uma maneira de vocalizar um pouco diferente. E os arranjos do meu irmão eram muito arrojados. Mas sabe por que nessa época havia muitos grupos de arranjos vocais? Porque tinha rádios como a Rádio Nacional e a Mayrink Veiga, no Rio de Janeiro. Aqui em São Paulo tinha a Bandeirantes e a Record. E elas davam trabalho para os artistas. Tinha orquestra na rádio. A Orquestra da Rádio Nacional tinha 70 figuras. Trabalhar lá foi uma escola. Eles gostavam de nós, o Radamés (Gnattali) dava força. Como também ajudei outros arranjadores depois. É o ciclo natural.

Quem são os herdeiros dos Cariocas?
Severino - 
O pessoal do MPB-4, que era de Niterói, e assistiu a um ou dois ensaios lá na minha casa, no Leblon. Mas eles criaram um estilo próprio. Depois apareceu um grupo muito bom aqui em São Paulo, o Quarteto em Cy.
Elói - O Boca Livre…
Severino - Sim, muito bem lembrado. Uma vez fizemos aqui no Sesc um show com o Boca Livre, o Quarteto em Cy, o Demônios da Garoa. Foi muito bacana!

O que não pode faltar em um show dos Cariocas?
Severino - 
Se não cantarmos essas músicas que eu vou citar, o pessoal sai correndo para bater em nós: “A Minha Namorada”, “Samba do Avião”, “Ela é Carioca”, “Garota de Ipanema”, “Sabe Você”, “Pra que Chorar”, “Tem Dó” e “O Rio”.

Como andam os trabalhos do grupo atualmente?
Severino - 
Enquanto Deus quiser, eu estou aí. Estou mantendo minha diabetes com cuidado. De vez em quando exagero um pouco. Fizemos um show com a Wanda Sá; vamos fazer outro com a Leny Andrade. Tivemos uma participação do Marcos Valle em um show nosso. Os trabalhos vão seguindo…

Como foi a escolha do repertório e das participações no último disco de vocês (Nossa Alma Canta, 2010)?
Severino - 
Resolvemos entre nós. Às vezes os diretores também dão ideia. Tem que ter a aprovação da maioria. Nesse disco, tivemos convidados maravilhosos, como o Milton Nascimento, o João Donato e o Eumir Deodato. E a ideia era essa, valorizar os músicos também, principalmente os pianistas.

Estão envolvidos em algum novo projeto?
Elói - 
Estamos reunindo algumas ideias. Inclusive, tivemos que fazer alguns arranjos para esse show e pensamos em inclui-los em um próximo trabalho. Agora, queremos experimentar uma nova forma de gravar. Todo mundo está gravando em casa. Estamos pensando em fazer umas pré-gravações em casa mesmo. Mudar aquele esquema em que todo mundo tem que ir para o estúdio e ficar esperando enquanto grava o violão…

O Tim Maia faria 70 anos em setembro. Como foi a gravação com ele em 1996 [disco Amigos do Rei]?
Elói –
Não acreditávamos que iria acontecer porque era o Tim Maia. Ele era fã do grupo. O Severino morava ali na Tijuca, onde surgiu a Jovem Guarda, e conhecia o pai do Tim e ele desde garoto. E mais tarde estariam gravando juntos… O Tim ficava ligando e falava: “Eu gosto de tocar, sou vocalista, sou não-sei-o-quê”. Ligava para o Severino três horas da manhã, ligava para o Badeco às quatro: “Vamos fazer, vamos fazer!”. Até que um dia ele falou: “Vem aqui!”. Ele tinha um estúdio nos fundos da casa. Marcou o dia e nós fomos. Gravamos metade do repertório dele, metade do nosso repertório. As músicas dele, ele fez a base com a banda Vitória Régia. E as músicas de bossa nós fizemos a base. Mas nós e ele cantando. Foi um período muito legal; um ano de gravações. Ele era uma figura maravilhosa, mas completamente louco.

Como é o contato entre as gerações no grupo?
Fabio Luna - 
Existe a experiência, o respeito e a admiração. Mas quando o som rola mesmo não tem muita idade. É todo mundo menino. Lembro de nos primeiros shows ter visto o Severino contando história: “porque a gente ia na casa do Tom Jobim, etc.”. Isso até hoje não é uma coisa normal.
Neil - Estávamos em um bar tomando um chope e comecei a falar do filme Heleno: “Filme muito bom, em preto-e-branco, imagens sensacionais”. Chega o Severino e diz: “Conheci o Heleno!”. Isso de vez em quando nos assusta. Esquecemos quem é esse cara, né?
Elói - Às vezes ele conta umas histórias: “O Villa-Lobos gostava muito de nós…”.
Neil - Villa-Lobos aplaudia Os Cariocas… Para mim, o Villa-Lobos era de um outro planeta.
Fabio - Então, ao mesmo tempo que é uma responsabilidade, é um aprendizado constante. Todo dia é um aprendizado, um privilégio.

Severino, fale um pouco do período de 21 anos em que Os Cariocas ficaram separados e como se chegou à formação atual.
Severino - 
Foi uma época em que o iê iê iê entrou forte e os trabalhos diminuíram, não somente para nós, como para outros artistas. Aí resolvemos parar para pensar, mas a ideia era parar por uns dois anos e acabou se esticando. Mas os pedidos eram tantos para que voltássemos, que nós voltamos. O Luiz Roberto já estava mais ou menos “baleado”. Ele abusava muito. Eu, o Badeco, o Luiz Roberto e o Quartera nos reunimos e voltamos a cantar no Jazz Mania. Foi muito bom, casa cheia. Depois, fizemos uma noite em Niterói e voltamos para o Rio de Janeiro. Foi em uma noite dessas que o Luiz Roberto faleceu. Ele pediu para descansar por 10 minutos porque não estava se sentindo bem e não voltou mais do camarim. É uma história triste, mas faz parte da vida. Mas voltamos de vez. Tinha um amigo do Luiz Roberto que gravava comigo em um coral, o Edson Bastos, fizemos um disco. Depois ele saiu e entrou o Elói.
Elói - Em 1994, o Badeco teve que sair e eu entrei por um tempo. Depois o Badeco voltou, o Edson saiu e eu fiquei em definitivo.
Neil - Tinha medo do Tim Maia. [risos]
Elói - Exatamente. Quando começou essa história do Tim Maia, ele pediu as contas. [risos]
Severino - A primeira mulher do Elói disse que tinha um garoto que tocava na banda da Orquestra Tupi. Ele foi lá fazer o teste e foi bem, só que quando ele viu uma nota mais aguda que eu escrevi, fechou as coisas e falou assim: “Não, não vai dar!”. Mas sou macaco velho: “Não, você vai ficar!.
Neil - A nota nem era tão aguda assim… [risos]
Elói - Ele estava falando comigo ao telefone. Falei pra ele fazer a segunda voz. A segunda voz é alta, sacrificada. Ele disse: “Mas a minha voz é grave! E tem outro problema também: sou cabeludo!”.
Neil – Pensei: “Estou esperando a hora que vão me mandar cortar”.
Elói - Toda vez que chegávamos em um aeroporto, ele sumia. Estava sendo revistado. [risos]
Severino - Ele estreou no disco do Tim Maia e foi muito bem. De vez em quando eu ouço algumas faixas, gosto muito. Mas agora que saiu um componente ele pediu para fazer a terceira voz, que não é tão aguda. Deixou a bomba para o Fábio.

  1. muito legal este desenho do show da luna minha fila ama d+

    | show da luna

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. O sotaque americano da bossa nova

    Em novo álbum, Stacey Kent apresenta novas composições em meio a clássicos bossa-novistas

  2. “Jamais reneguei minhas raízes, eu as universalizei!”

    Ithamara Koorax fala como o sucesso no exterior prejudicou seu reconhecimento no Brasil

  3. Com a palavra a lenda do jazz

    Ron Carter fala com exclusividade ao Álbum sobre sua carreira, a relação com a música brasileira

  4. Bossa nova no Carnegie Hall

    Em novo livro, Roberto Menescal revela bastidores da 1ª apresentação dos bossa-novistas nos EUA

  5. O homem que de(cifrou) a MPB

    Especial investiga vida e obra de Almir Chediak, o criador dos songbooks

  6. A Arca de Noé

    Último trabalho de Vinicius de Moraes, disco infantil se tornou um dos mais importantes da música popular brasileira pós-1980

  7. A bossa exportação de Fernanda Takai

    A convite de Andy Summers (The Police), vocalista do Pato Fu grava seu 3º disco solo

  8. Marcos Valle comemora 50 anos de carreira com disco ao vivo

    Álbum foi gravado no Rio de Janeiro com a cantora Stacey Kent

  9. A carne assada da vovó Neném

    Confira a receita da avó paterna de Vinicius de Moraes

  10. “No Brasil nada muda!”

    Compositor de "Zelão" e "Beto Bom de Bola", o músico e cineasta Sérgio Ricardo fala de seu musical Bandeira de Retalhos

      1. Almir Chediak – Songbooks (1991–1995)

        Registros dos álbuns que celebraram obras de Tom Jobim, Carlos Lyra, Dorival Caymmi, Vinicius e Ary Barroso

      2. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      3. Vadico: 10 vezes com Noel

        Playlist compila as 10 músicas que o maestro compôs com Noel Rosa, como Feitio de Oração

      4. A música de Tom Jobim

        Playlist passa por temas compostos e interpretados por Tom Jobim, o Antônio Brasileiro

      5. Aqui na terra estão jogando futebol

        Chico Buarque completou 70 anos em junho de 2014 e o Álbum traz suas músicas que têm como tema o futebol

      6. Dolores Duran

        A cantora Lulina narra a trajetória de uma das precursoras da bossa nova, dona de obra pioneira ao expressar os sentimentos da mulher

      7. Almir Chediak – Produtor

        Playlist reúne faixas de álbuns produzidos pela Lumiar Discos. Com João Nogueira, Rosa Passos e João Donato

      8. Versões, sample e inspirações do Ben

        A música de Jorge Ben cantada por Dominguinhos, Skank, Les Etoiles, Racionais MCs e Emilio Santiago

      9. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      10. Especial Villa-Lobos

        Folclore e música popular inspiram obra do maestro que tem sua trajetória narrada por Leandro Carvalho