//seções//notas

O Terno divulga clipe de “66”

Músicos tocam embaixo d'água em vídeo dirigido por Marco Lafer e Gustavo Moraes; banda lança em junho seu 1º álbum

texto Patrícia Colombo

Os garotos da banda paulistana O Terno, prestes a lançar seu álbum de estreia, intitulado 66, divulgaram neste mês o clipe da divertida faixa homônima. Com direção de Marco Lafer e Gustavo Moraes, o vídeo mostra o trio “tocando” até embaixo d’água. Veja abaixo:

Formado atualmente por Tim Bernardes (guitarra e voz), Guilherme Peixe (baixo) e Victor Chaves (bateria), O Terno começou em 2006 (ainda sem a presença de Chaves na banda) e, na época, os integrantes limitavam-se apenas a covers de Kinks, Yardbyrds, Beatles e Mutantes e de outros nomes da Tropicália. Em 2009, deram início aos trabalhos autorais. “De lá pra cá, o nosso repertório foi crescendo e a gente foi achando nosso estilo, nos arranjos, nas músicas”, conta o vocalista Tim Bernardes, ao Álbum.

As influências da banda vão do rock inglês sessentista ao tropicalismo, somados aos artistas Arrigo Barnabé e Itamar Assumpção, aos integrantes do Clube da Esquina e aos mais atuais, Strokes, Los Hermanos, Jack White e Black Keys.

Sobre 66, que deve ser lançado em junho, Tim comenta: “É um disco que brinca com a crítica que tem na letra de ‘66’, sobre a gente reciclando de um jeito próprio as influências antigas que gostamos, para fazer um som novo”. Mesmo no formato CD, o material tem uma espécie de lado A e lado B – sendo o primeiro composto por faixas da banda e o segundo por versões deles para algumas das canções do músico e compositor Mauricio Pereira (com quem os garotos haviam trabalhado tempos antes). Entre as participações especiais no material, estão o já citado Pereira, Dino Vicente e Marcelo Jeneci.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Quase ricos e xaropes

    A estética minimalista d'Os Mulheres Negras

  2. Jiló Lóki

    Conheça o jiló com queijo de Dona Nelsinha, um dos pratos preferidos do ex-Mutante Arnaldo Baptista

  3. “A gente quer viver sempre no verão”

    Gaúchos da banda Selton fazem sucesso na Itália e falam de sua experiência no exterior

  4. Campanha busca financiar livro com fotos inéditas dos Mutantes

    Projeto de crowdfunding busca patrocínio para obra com 130 fotos inéditas da banda

  5. Harry Potter, Beatles e Doutor Parnassus

    Esses são os motores para a criações do escritor, desenhista e músico Cláudio Levitan

  6. Beatles de lata e PVC

    Grupo Uakti interpreta clássicos do quarteto de Liverpool

  7. Psicodelia à brasileira

    Livro Lindo Sonho Delirante, do jornalista Bento Araújo, analisa 100 discos psicodélicos nacionais

  8. Arnaldo Antunes lançará Acústico MTV em maio

    Em comemoração dos 30 anos de carreira, CD trará canções que marcaram a trajetória do músico

  9. Arthur Verocai, o despertar do maestro

    O reconhecimento do músico 40 anos depois do lançamento de seu primeiro disco solo

  10. Sem rótulos e direções

    Em novo álbum, Arnaldo Antunes reflete sobre o papel do disco na vida do artista

    1. Blackbird, por Carlos Amaral e Renato Savassi

      Um dos clássicos de Lennon & McCartney em versão voz-viola-flauta

      1. Fernando Rosa: “Nunca parei no tempo!”

        Criador do portal de rock Senhor F indica Eduardo Araújo, Mutantes, Jungle Cats e Beto Só

      2. Mutantes, Adoniran, Djavan e Rosa Passos

        Quarto Mergulho no Escuro tem samba, soul, balanço e bossa nova

      3. Sons que fizeram o som de Os Mulheres Negras

        De la Soul, Tonico e Tinoco, Hermeto Pascoal e Paulo Moura estão na lista de Mauricio Pereira e André Abujamra

      4. Especial Rogério Duprat

        A história do maestro tropicalista que reinventou a estética da música popular nos anos 1960 e 1970