//seções//notas

O sotaque americano da bossa nova

Em novo álbum, Stacey Kent apresenta novas composições em meio a clássicos bossa-novistas

texto Itamar Dantas

A bossa nova segundo Stacey Kent em The Changing Lights. Foto: divulgação

Stacey Kent é norte-americana, mas a sua relação com a música brasileira é longa. Quando tinha 14 anos de idade e nem sonhava em cantar, a jovem ouvia discos de João Gilberto e aquelas canções já a fascinavam. Em seu novo álbum, The Changing Lights, o décimo de sua carreira, a cantora revisita clássicos da bossa nova e apresenta canções inéditas.

The Changing Lights é parte da sensibilidade daquela moça. É simplesmente um ritmo que dá um sentido de esperança, que vai para adiante, que traz alegria imediata mas, ao mesmo tempo, ligada a uma melodia suave, doce. Eu gostava muito dessa mistura”, conta Kent.

Depois de gravar o álbum com Marcos Valle,  Marcos Valle e Stacey Kent – ao Vivo, lançado em 2013, Stacey Kent tem intensificado ainda mais a sua relação com o Brasil. Ficou amiga de Valle e de Roberto Menescal, com quem conversa quase diariamente. A afinidade e os assuntos seguem para outros gostos afins dos músicos: “Falo com eles o tempo todo. Falo com ‘Menesca’ sobre a mãe natureza. Ele me fala sempre das suas inspirações, um homem com um coração tão aberto, generoso. Eu não conheci Jobim pessoalmente, mas posso senti-lo bem perto desse universo”, garante a cantora.

LEIA TAMBÉM: MARCOS VALLE COMEMORA 50 ANOS DE CARREIRA COM DISCO AO VIVO

 

O álbum conta com três composições inéditas e várias regravações de clássicos bossa-novistas. Da nova safra, fruto da parceria do marido e saxofonista Jim Tomlinson com o poeta português Antonio Ladeira, aparecem as canções “A Tarde” e “Mais Uma Vez”. Já com o poeta e escritor japonês Kazuo Ishiguro, Tomlinson compôs “The Summer We Crossed Europe in the Rain” e “Waiter, oh Waiter”. Do acervo brasileiro, o “Samba de Uma Nota Só”, de Newton Mendonça e Tom Jobim, recebe interpretação em sua versão em inglês, “One Note Samba”.

Também estão presentes “Insensatez”, interpretada em inglês ["How Insensitive"], de Vinicius de Moraes, Norman Gimbel e Tom Jobim; “The Face I Love”, de Paulo Sérgio Valle, Pingarrilho, Norman Gimbel e Marcos Valle; “Like a Lover”, de Nelson Motta, Alan Bergman e Dori Caymmi; e “The Happy Madness”, de Gene Lees, Vinicius de Moraes e Tom Jobim. “O Bêbado e a Equilibrista” ganha uma versão instrumental e “O Barquinho”, de Menescal e Ronaldo Bôscoli, recebe a interpretação da cantora em português. “Essas canções são bem universais. As pessoas gostam dessa mistura, das canções novas e das canções que já conhecem bem. Passamos por 26 países e o disco tem sido muito bem recebido. As pessoas querem compartilhar essas histórias comigo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Bossa nova no Carnegie Hall

    Em novo livro, Roberto Menescal revela bastidores da 1ª apresentação dos bossa-novistas nos EUA

  2. “Jamais reneguei minhas raízes, eu as universalizei!”

    Ithamara Koorax fala como o sucesso no exterior prejudicou seu reconhecimento no Brasil

  3. “Villa-Lobos gostava muito de nós”

    Os Cariocas contam um pouco de sua longa trajetória na música popular brasileira

  4. O homem que de(cifrou) a MPB

    Especial investiga vida e obra de Almir Chediak, o criador dos songbooks

  5. Com a palavra a lenda do jazz

    Ron Carter fala com exclusividade ao Álbum sobre sua carreira, a relação com a música brasileira

  6. Marcos Valle comemora 50 anos de carreira com disco ao vivo

    Álbum foi gravado no Rio de Janeiro com a cantora Stacey Kent

  7. “Somos caçadores de sonhos perdidos”

    Zero Freitas conta histórias de sua coleção de 5 milhões de discos

  8. O bamba de Sampa

    'O samba já era. Era assim que Eric pensava... Mas havia mudado de ideia. Por causa de uma moça.'

  9. O jazz com baião de Antonio Adolfo

    Finas Misturas, novo álbum do pianista, mescla standards do jazz a ritmos brasileiros menos conhecidos no exterior

  10. A Bahia metafórica de Rodrigo Campos

    Cantor e compositor paulista fala sobre seu segundo álbum, Bahia Fantástica

      1. Almir Chediak – Songbooks (1991–1995)

        Registros dos álbuns que celebraram obras de Tom Jobim, Carlos Lyra, Dorival Caymmi, Vinicius e Ary Barroso

      2. Vadico: 10 vezes com Noel

        Playlist compila as 10 músicas que o maestro compôs com Noel Rosa, como Feitio de Oração

      3. Walter Garcia: “A interpretação do João é melancólica”

        Jornalista analisa a canção na música popular brasileira e destaca o papel de João Gilberto

      4. A música de Tom Jobim

        Playlist passa por temas compostos e interpretados por Tom Jobim, o Antônio Brasileiro

      5. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      6. De Caetano a Elomar

        Terceira edição do programa de Zuza tem jazz, choro e samba com muito bom humor

      7. Almir Chediak – Produtor

        Playlist reúne faixas de álbuns produzidos pela Lumiar Discos. Com João Nogueira, Rosa Passos e João Donato

      8. Ed Lincoln, o rei dos bailes

        Playlist compila faixas de todos os álbuns do maestro do balanço

      9. Fernanda Takai: “Gosto de pensar a música sem purismos!”

        Em programa de 2008, cantora analisa seu voo solo e indica Lucy and the Popsonics e Roberto Carlos

      10. Almir Chediak – Songbooks (1996–2003)

        Seleção com músicas dos songbooks de Chediak demonstram pluralidade na escolha dos intérpretes