//seções//notas

O primeiro voo autoral de Badi Assad

Cantora e violonista fala de seu álbum Amor e Outras Manias Crônicas

texto Itamar Dantas

A cantora, compositora e violonista Badi Assad, que lança seu 11º álbum, Amor e Outras Manias Crônicas. Foto: divulgação

Seis anos depois do lançamento de seu último disco (Wonderland, 2006), Badi Assad volta aos palcos com novo álbum, Amor e Outras Manias Crônicas, uma proposta diferente daquela de seus trabalhos anteriores, vinda de uma Badi que enxerga o mundo de outra maneira. Afinal, um dos motivos de sua “ausência” nesses anos se chama Sofia, a primeira filha da cantora, nascida em 2007.

Quando Sofia veio ao mundo, Badi se mudou para sua cidade natal, São João da Boa Vista, no interior de São Paulo. Lá, a artista teve um intenso retiro criativo. Compôs cerca de 150 músicas em apenas dois anos, e volta agora com o resultado de sua “imersão em si mesma”, como ela define o álbum. “Essa coisa mais popular aparece porque eu compus de forma mais simples. E essa simplicidade apareceu por conta da maternidade. Eu conheci essa coisa de ficar ali só olhando o bebê, trocando fralda, limpando cocô e se sentir satisfeita.”

Com todas as composições de sua autoria (exceto uma, parceria com Pedro Muniz), o disco é lançado pelo selo YB Music e distribuído pelo Núcleo Contemporâneo. Para dar forma ao novo trabalho, Badi convidou os músicos Guilherme Kastrup e Márcio Arantes, que assinam a produção e a direção musical, ao lado da cantora.

Em um bate-papo com o Álbum, Badi fala do novo projeto, conta o que mudou com a maternidade e o que mais vem por aí.

ÁLBUM – O que há de novo nesse trabalho?
BADI ASSAD – É o primeiro álbum essencialmente autoral. Nos outros discos, eu tinha uma ou outra música de minha autoria. Neste, as músicas e as letras são minhas. Só tem uma parceria, que é com o Pedro Muniz. Em 2007, quando a Sofia nasceu, fomos para São João da Boa Vista, no interior de São Paulo. Lá eu tive silêncio e consegui me ouvir. A criatividade aflorou muito forte e foi nesse processo que eu compus mais de 150 músicas em menos de dois anos. Então, é um disco muito visceral.

Como se deu a escolha dos produtores?
Eu já tinha trabalhado com o Guilherme Kastrup, não como produtor, mas como músico (percussionista e baterista). Quando ele trabalhou comigo, o produtor era o Rodolfo Stroeter (álbum Verde, de 2004). Já o disco posterior, Wonderland (2006) foi produzido pelo Jaques Morelenbaum. Até então, eu tinha trabalhado com produtores que até têm essa veia popular, mas são mais ligados à música instrumental. Com eles, havia essa tendência de privilegiar o meu instrumento, o violão. Agora, nós não demos preferência a nenhum instrumento específico, mas às músicas, que são mais populares mesmo. Dei muita liberdade a esses dois músicos incríveis (Guilherme Kastrup e Márcio Arantes), para criarmos juntos esse produto.

E o resultado é mais pop?
Eles souberam ler muito bem o que eu estava buscando. Eu me sinto muito confortável na vanguarda, no que não é comum. Eles leram isso muito bem também. Por exemplo, a música “Apimentados Momentos” foi inicialmente inspirada em um groove da Nação Zumbi. Mas foi para outro lugar, ficou muito forte. Nós temos feito ela fora do país e as pessoas se emocionam muito.

Você foi para o interior durante esse tempo e agora é mãe. Como isso se reflete no álbum?
Essa coisa mais popular vem porque eu compus de forma mais simples. Essa simplicidade apareceu por conta da maternidade. Eu conheci essa coisa de ficar ali só olhando o bebê, trocando fralda, limpando cocô e se sentir satisfeita. Meus amigos me perguntavam: “Você não sente falta da vida cultural, de assistir televisão?” Não! A televisão é ela. Fiquei embasbacada com esse milagrezinho andando. E isso acabou se refletindo na música.

Quais são os próximos passos?
Esse trabalho vai ser lançado na Europa no primeiro semestre do ano que vem e depois nos Estados Unidos. Eu já tenho engatilhado um próximo projeto, que vai ser um álbum infantil. Porque, dessas 150 músicas que eu compus, metade foi para a minha filha, Sofia. Pretendo começar a gravar logo para lançar em outubro do ano que vem. A produção está muito fértil. Eu fiquei ausente por um tempão. Agora voltei, né?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Edmundo Villani-Côrtes é homenageado em CD

    Obra é revisitada pela pianista Karin Fernandes; disco traz peça criada para o projeto

  2. Fora da mira dos conservadores

    Heraldo do Monte lança álbum em que a viola é protagonista do choro

  3. “Nós fomos a resistência do choro”

    A trajetória de uma das figuras centrais do choro paulistano: Izaías do Bandolim

  4. Seguindo os passos de Mangoré

    Com show e disco, Berta Rojas e Paquito D'Rivera homenageiam Agustín Barrios

  5. Ôctôctô do outro lado do Atlântico

    Saxofonista Luís Málaga comenta a experiência do grupo na Europa

  6. Beatles de lata e PVC

    Grupo Uakti interpreta clássicos do quarteto de Liverpool

  7. “Tem gente que diz assim: não é só tu que tá tocando”

    Sebastião Tapajós conta sua trajetória à Série +70 e relata impressões sobre seu disco Guitarra Criolla, de 1982

  8. João Parahyba: o tradicional e o moderno

    Registros das missões de Mário de Andrade estão entre as indicações do músico paulista

  9. Em SP, Néctar do Groove antecipa seu segundo CD

    Banda apresentou seu jazz nordestino no Instrumental Sesc Brasil

  10. Caixa Cubo lança seu primeiro álbum

    Música instrumental do baterista João Fideles e do pianista Henrique Gomide chega à França

    1. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

    2. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

    3. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

    4. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    5. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

      1. A música de Paulinho da Viola pela Escola do Auditório Ibirapuera

        Cinco formações da Escola interpretaram músicas do sambista e de outros artistas brasileiros

      2. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura

      3. Série Instrumento: Violão

        Seleção lista interpretações de Dilermando Reis, Rosinha de Valença, Vera Brasil, Geraldo Vespar e Sebastião Tapajós

      4. Série Instrumento: Baixo

        Playlist reúne os titulares do ritmo Luizão Maia, Luiz Chaves, Liminha, Jamil Joanes e Arthur Maia

      5. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera

      6. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      7. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      8. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello

      9. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      10. Sem bandleader

        O rock instrumental brasileiro, de Os Incríveis a Pata de Elefante e Macaco Bong