//seções//notas

O jazz com baião de Antonio Adolfo

Finas Misturas, novo álbum do pianista, mescla standards do jazz a ritmos brasileiros menos conhecidos no exterior

texto Itamar Dantas

Antonio Adolfo mescla em novo disco standards do jazz e música brasileira. Foto: divulgação

Radicado nos Estados Unidos desde 2007, o pianista, arranjador e compositor Antonio Adolfo acaba de lançar por lá seu mais novo álbum, Finas Misturas, pelo selo AAM Music, com distribuição no Brasil pela Sala de Som Records. No disco, Adolfo promove um diálogo com ritmos da música brasileira e standards do jazz, de compositores como John Coltrane, Keith Jarrett, Dizzy Gillespie e Bill Evans.

Em meio aos clássicos do ritmo norte-americano, há também quatro temas de sua autoria. Em suas misturas, o álbum passeia pelo baião, pelo calango, pela toada e pela quadrilha, ritmos menos conhecidos que a bossa nova no exterior e com os quais Adolfo trabalha semelhanças pouco exploradas com os temas de jazz. “Acho que a combinação deu certo. Por exemplo, se o ouvinte não souber que são músicas compostas por músicos do jazz americano, vai achar que são bem brasileiras: ‘Memories of Tomorrow’, de Keith Jarrett, é uma autêntica toada; ’Giant Steps’, de John Coltrane, é uma quadrilha. E, quanto às minhas músicas, naturalmente, há uma interação desses diferentes estilos, não somente os brasileiros, como o blues e a harmonia jazzística, em alguns momentos”, garante o músico.

Nos Estados Unidos, Adolfo mantém uma escola em Hollywood, Flórida, e divide sua agenda entre shows e workshops relacionados ao ensino de música brasileira. Seu novo álbum, lançado por lá em março, está entre os mais tocados nas estações de jazz norte-americanas. Entre os motivos de permanecer nos Estados Unidos, Adolfo destaca as diferenças de mercado para sua música. “Amo o Brasil, mas tenho sentido que minha música (a música que toco, arranjo e componho) tem sido muito bem aceita e respeitada por aqui. Meu novo CD, Finas Misturas, está há 11 semanas e meia entre os mais tocados nas estações de jazz, no meio de grandes expoentes do estilo. Sei que isso poderia acontecer no Brasil, como já foi na época da bossa nova, dos Festivais”, desabafa.

O piano e os arranjos de Antonio Adolfo sempre estiveram nos meandros mais importantes da música brasileira. Na década de 1960, participou do Trio 3D, um dos ícones do período em que o ritmo brasileiro era dominado pelos grupos instrumentais, ao lado de Zimbo Trio, Jongo Trio e Tamba Trio. No período dos festivais foi, ao lado de Tibério Gaspar, compositor da música “Br-3″, defendida por Tony Tornado e campeã do Festival Internacional da Canção, de 1970. Com Tibério Gaspar, compôs “Sá Marina”, sucesso de 1968 de Wilson Simonal revivido por Ivete Sangalo em 1999. Além de seus discos autorais, teve participação em álbuns de diversos artistas, como Angela Ro Ro, Jorge Ben Jor, Edu Lobo e Nara Leão. Seu álbum, Feito em Casa, de 1977, lançado pelo selo próprio Artezanal, é considerado um marco dos discos independentes no Brasil.

Além de seu piano, o álbum de Adolfo traz a participação dos músicos Claudio Spiewak (violão), Leo Amuedo (guitarra), Marcelo Martins (sax tenor e flauta), Rafael Barata (bateria e percussão) e Jorge Helder (baixo). Entre junho e julho, o músico vem ao Brasil para lançar o disco, com datas e locais a ser confirmados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. A malícia e o jazz do choro carioca

    Em Rio, Choro, Jazz... Antonio Adolfo revisita obra de Ernesto Nazareth e lança música em sua homenagem

  2. “A gente pode fazer muita coisa pelo mundo afora”

    Guinga e Esperanza Spalding falam do 1º show conjunto

  3. “No Brasil nada muda!”

    Compositor de "Zelão" e "Beto Bom de Bola", o músico e cineasta Sérgio Ricardo fala de seu musical Bandeira de Retalhos

  4. O fole e as cordas

    Marco Pereira e Toninho Ferragutti lançam álbum conjunto em que revisitam suas obras em violão e acordeão

  5. “Jamais reneguei minhas raízes, eu as universalizei!”

    Ithamara Koorax fala como o sucesso no exterior prejudicou seu reconhecimento no Brasil

  6. “Villa-Lobos gostava muito de nós”

    Os Cariocas contam um pouco de sua longa trajetória na música popular brasileira

  7. “A fila virava o quarteirão para assistir à bossa nova”

    Saxofonista argentino, Hector Costita fala de sua trajetória no Brasil

  8. Autodidata e cara de pau

    O perfil e as histórias de um dos ícones da percussão brasileira, Robertinho Silva

  9. O sotaque americano da bossa nova

    Em novo álbum, Stacey Kent apresenta novas composições em meio a clássicos bossa-novistas

  10. Bossa nova no Carnegie Hall

    Em novo livro, Roberto Menescal revela bastidores da 1ª apresentação dos bossa-novistas nos EUA

      1. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      2. Série Instrumento: Baixo

        Playlist reúne os titulares do ritmo Luizão Maia, Luiz Chaves, Liminha, Jamil Joanes e Arthur Maia

      3. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera

      4. Série Instrumento: Piano

        Obras e interpretações de Dick Farney, Laércio de Freitas, Tania Maria, Benjamim Taubkin e Guilherme Vergueiro

      5. Almir Chediak – Produtor

        Playlist reúne faixas de álbuns produzidos pela Lumiar Discos. Com João Nogueira, Rosa Passos e João Donato

      6. Dolores Duran

        A cantora Lulina narra a trajetória de uma das precursoras da bossa nova, dona de obra pioneira ao expressar os sentimentos da mulher

      7. Almir Chediak – Songbooks (1991–1995)

        Registros dos álbuns que celebraram obras de Tom Jobim, Carlos Lyra, Dorival Caymmi, Vinicius e Ary Barroso

      8. Walter Garcia: “A interpretação do João é melancólica”

        Jornalista analisa a canção na música popular brasileira e destaca o papel de João Gilberto

      9. Almir Chediak – Songbooks (1996–2003)

        Seleção com músicas dos songbooks de Chediak demonstram pluralidade na escolha dos intérpretes

      10. Versões, sample e inspirações do Ben

        A música de Jorge Ben cantada por Dominguinhos, Skank, Les Etoiles, Racionais MCs e Emilio Santiago