//seções//notas

Nuas em vozes e versos

Oito cantautoras de BH se reúnem em coletivo e dão voz a suas visões de mundo

texto Itamar Dantas

Oito cantautoras de Belo Horizonte registram disco com composições coletivas que privilegiam o olhar feminino. Foto: Paula Huven

A A.N.A., Amostra Nua de Autoras, é um coletivo de cantautoras iniciado em 2011 com a ideia de produzir um disco com composições das oito integrantes. Criado por Irene Bertachini e Deh Mussulini, o grupo se reunia periodicamente para apresentações em Belo Horizonte (MG), onde as cantoras iam se conhecendo melhor para a criação coletiva. O grupo é formado por Deh Mussulini, Irene Bertachini, Michelle Andreazzi, Leonora Weissmann, Leopoldina,  Laura Lopes, Luana Aires e Luiza Brina.

O disco do projeto é lançado agora e nas canções as “Anas” refletem sobre questões femininas e, de forma mais geral, sobre a arte, a religião e as próprias vidas. “Quando reunimos essas cantoras, percebemos alguns pontos em comum nas nossas conversas. Todas tinham um pouco desse empoderamento da voz feminina na canção. Se a gente perguntar quem são as cantoras-compositoras no Brasil, dificilmente alguém se lembra. A ideia do CD é dar vazão a essas vozes. Não é um projeto feminista, é de olhar feminino”, garante Irene Bertachini.

Assim, temas como o nascimento de um filho e o sentimento de uma mãe que vê o filho sair de casa ganham versos em “Parto e em “Filho, respectivamente. “A gente pensou em dar voz a uma mulher que perdeu seu filho. Essa coisa do apego que a mãe tem, a coisa da maternidade. As mães perdem a vida para cuidar dos filhos e depois têm esse sentimento da separação”, conta Irene.

O trabalho tem direção musical de Rafael Martini e a voz das cantoras também serve de elementos dos arranjos, como instrumentos musicais: “A ideia é fazer com que as vozes não fossem só de primeiro plano. Mais na onda Dirty Projectors, Björk. O próprio Bob Mcferrin tem algumas coisas nessa linha. Alguns grupos tradicionais africanos também usam muito as vozes dessa forma. É um trabalho com uma proposta bem diferenciada. No Brasil, pelo menos, não conheço nada parecido”, garante Irene.

O nome Amostra Nua de Autoras sugere mulheres se despindo para demonstrar suas necessidades a partir da canção. Déa Trancoso, Ná Ozzetti, Brisa Marques e Jennifer Souza participam como convidadas. Trancoso assina o texto de apresentação do trabalho, em que defende a multiplicidade de significados para a palavra NUA, que dá nome ao disco: “Que palavra suprema! Sem disfarces, mostrando a natureza fundamental e celestial: de si mesmas, da criação (a do Universo e a delas) e de nós, outras tantas ANAS que escreveram e escrevem a história da música feminina no mundo e no Brasil”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Brasil e Argentina no mesmo palco

    Carlos Villalba e Ensamble Chancho a Cuerda falam sobre o projeto Músicas del Sur

  2. 30 anos em quatro letras: NáZé

    Zé Miguel Wisnik e Ná Ozzetti lançam álbum que celebra parceria de três décadas

  3. Popular, mas sem clichês

    Filarmônica de Pasárgada lança seu primeiro álbum, O Hábito da Força

  4. Rua Teodoro Sampaio, 1091

    Dirigido por um de seus fundadores, Riba de Castro, documentário conta a história do teatro Lira Paulistana

  5. Na íntegra, on-line (2013)

    Lista traz 27 discos nacionais disponibilizados para download ou audição on-line

  6. De olho no funk e no axé

    Em seu segundo disco, Filarmônica de Pasárgada reinventa a canção a partir de ritmos populares

    1. Tião Carvalho: “Foi muito bom a Cássia Eller ter gravado uma música minha”

      Cantora carioca gravou Nós pela primeira vez para seu disco ao vivo de 1996