//seções//notas

Nascimento parcelado

Mês a mês, o violeiro Hugo Linns apresenta duas músicas de seu terceiro álbum

texto Itamar Dantas

Hugo Linns passeia entre a música, a palavra e a fotografia em novo trabalho. Foto: Olga Wanderley/divulgação

Em seu terceiro álbum, o violeiro pernambucano Hugo Linns transporta sua música entre os sons, a poesia e a fotografia. Em A Solidão do Sol em Cinzas do Ar, Linns apresenta duas músicas inéditas por mês somente com as cordas de sua viola, às vezes duplicadas, distorcidas e sintetizadas com pedais de efeitos.

Paralelamente, uma poesia de sua autoria e uma fotografia de Olga Wanderley são apresentadas em seu site. As duas primeiras músicas já estão disponíveis para audição: “O Cais” e “Rêveur”. O projeto faz parte do programa Rumos Itaú Cultural e tem como escopo a composição de dez músicas inéditas com suas respectivas poesias e fotografias que serão disponibilizadas nos próximos cinco meses.

Em entrevista ao Álbum, o músico fala sobre o novo trabalho.

ÁLBUM  Como você chegou ao conceito do trabalho? Por que liberar as músicas em etapas?
HUGO LINNS – Comecei a pensar neste trabalho e no conceito dele logo após a gravação do meu segundo álbum, Vermelhas Nuvens, antes mesmo de entrar no Rumos. Ele estava no campo das ideias e agora está se tornando realidade. Sempre fui muito inquieto artisticamente, então depois de dois álbuns em que a visão foi sempre para “fora” senti que já estava preparado para uma busca mais pessoal, para imagens da minha história, lembranças por vezes alegres e por vezes não, numa procura sonora para minha história musical e de vida. Com o apoio do Rumos Itaú Cultural estou neste processo, transformando A Solidão do Sol em Cinzas do Ar em sons. As músicas são liberadas em etapas porque estão sendo compostas mês a mês. A cada mês vou compor duas músicas e disponibilizá-las para audição no meu site e na minha página no Soundcloud, num total de dez que farão parte dessa construção musical.

>> OUÇA A PLAYLIST “VIOLAS MARRUDAS”

Por que resolveu incluir as imagens e as palavras ao projeto musical?
Essa ideia surgiu depois da seleção no Rumos. Sempre gostei de poesia, tenho muita coisa escrita guardada e também sempre gostei de imagens, mas nunca havia tido oportunidade de uni-las ao meu trabalho artístico como um todo, gerando uma significação mais ampla. A poesia nasce no momento da música e vem de imagens interiores completamente conectadas ao que sinto do som. Quando pensei em imagens, resolvi chamar a fotógrafa que me acompanha desde o começo do meu trabalho com viola, Olga Wanderley, e juntos decidimos a concepção, a ideia da foto para cada música.

Nas duas primeiras músicas, você fala de coisas abstratas, mas que perpassam pela solidão, pelo refazer. Para onde caminha o restante do trabalho?
O caminho será dessa vivência entre o ser único (pessoal, musical) que renasce e pulsa em relação ao sol, que está sozinho, porém inserido numa perspectiva holística em relação ao todo em pequenos fragmentos. A busca é sempre expressar por meio da viola a experiência vivida ou sonhada.

Como se dá a construção sonora dessas imagens abstratas?
Desde muito jovem fui contemplativo, sempre imaginei histórias. Depois veio a música, que me possibilitou contar as histórias através do som. A partir daí, o som é minha matéria-prima para criar histórias, contos, sonhos. Mas o grande responsável por tudo isso é o tempo, principalmente o que faz refletir, aquele em que você para e olha para coisas do mundo, para você mesmo. É desse tempo “suspenso” que surge meu trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Música clássica para todos

    “Temos que mostrar para as novas gerações que é possível escutar sem cair no tédio”, diz o clarinetista belga

  2. Em SP, Néctar do Groove antecipa seu segundo CD

    Banda apresentou seu jazz nordestino no Instrumental Sesc Brasil

  3. “Villa-Lobos é o pai da música brasileira contemporânea!”

    Mario Adnet comenta seu novo álbum, dedicado à obra do autor de "Trenzinho do Caipira"

  4. Brasil e Argentina no mesmo palco

    Carlos Villalba e Ensamble Chancho a Cuerda falam sobre o projeto Músicas del Sur

  5. Vitor Araújo: “Eu me desespero com o (disco) independente”

    Ouça o segundo álbum do pianista pernambucano

  6. Musicalidade fluida com profundidade ancestral

    André Ricardo, do Höröyá, fala da interseção cultural entre Brasil e África promovida pelo grupo

  7. “A improvisação está mais para o circo do que para a música”

    Júnior Areia, baixista da Mundo Livre S/A, fala sobre seu disco solo Para Perdedores

  8. “A gente pode fazer muita coisa pelo mundo afora”

    Guinga e Esperanza Spalding falam do 1º show conjunto

  9. “Ser compositor de música erudita no Brasil é muito difícil”

    Criar a partir da união do folclore com a música clássica é a missão do maestro Yves Rudner Schmidt

  10. Imperfeições à Guinga

    Compositor carioca comenta seu primeiro álbum gravado somente com voz e violão

    1. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

    2. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

    3. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

    4. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    5. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

      1. Violas marrudas

        Ricardo Vignini sugere modas de viola de Tião Carreiro e Pardinho, Índio Cachoeira, Ivan Vilela e Renato Andrade

      2. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello

      3. Original & Inigualável

        Playlist de 13 músicas reúne duplas como Marechal e Rondon, Faísca e Pinga Fogo, Polyglota e Porta-Voz

      4. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      5. Sem bandleader

        O rock instrumental brasileiro, de Os Incríveis a Pata de Elefante e Macaco Bong

      6. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      7. Hermeto Pascoal no Auditório Ibirapuera

        Hermeto Pascoal e Grupo realizaram apresentação recheada de improvisações

      8. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura

      9. A música de Paulinho da Viola pela Escola do Auditório Ibirapuera

        Cinco formações da Escola interpretaram músicas do sambista e de outros artistas brasileiros

      10. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai