//seções//notas

Naná Vasconcelos falece aos 71 anos no Recife

Internado desde 29 de fevereiro, músico lutava contra um câncer no pulmão

Referência no instrumento, Naná Vasconcelos posa com seu berimbau. Foto: André Seiti.

O percussionista Naná Vasconcelos faleceu nesta quarta-feira, 9 de março, por causa de uma parada respiratória. O músico estava internado no hospital Unimed III, no Recife, desde o dia 29 de fevereiro, por complicações decorrentes de um câncer no pulmão. No segundo semestre de 2015, ele ficou mais de 20 dias internado para tratar a doença, descoberta em agosto.

Juvenal de Holanda Vasconcelos nasceu no Recife em 1944 e ainda na infância começou a trabalhar com instrumentos de percussão. Em 1966, com Geraldo Azevedo e Terezinha Calazans, participou do musical folclórico Memórias de Dois Cantadores, no qual explorou pela primeira vez o berimbau, instrumento que se tornaria uma de suas marcas registradas. Em 1967, foi para o Rio de Janeiro e tocou com Gal Costa, Os Mutantes, Jards Macalé e Milton Nascimento, entre outros. Nos anos 1970, o músico se mudou para Paris, onde deu início a seu trabalho solo com o clássico Africadeus (1972).

No currículo, o músico tem 20 discos que levam seu nome e incontáveis participações em álbuns de amigos e parceiros das mais diversas vertentes da música brasileira e de outros países. O percussionista, ainda que sempre com um pé na tradição, experimentou os mais variados instrumentos musicais e sons.

>> LEIA O VERBETE COM A BIOGRAFIA DE NANÁ VASCONCELOS NA ENCICLOPÉDIA ITAÚ CULTURAL

>> LEIA TAMBÉM: A MÚSICA NA ESSÊNCIA, MATÉRIA SOBRE O DISCO 4 ELEMENTOS, DE NANÁ VASCONCELOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. A música na essência

    Naná Vasconcelos lança novo álbum inspirado nos quatro elementos da natureza

  2. “O que nos faz vibrar é a música brasileira!”

    Percussionista Adriano Adewale conta sua trajetória no mercado inglês

  3. Beatles de lata e PVC

    Grupo Uakti interpreta clássicos do quarteto de Liverpool

  4. Musicalidade fluida com profundidade ancestral

    André Ricardo, do Höröyá, fala da interseção cultural entre Brasil e África promovida pelo grupo

  5. João Parahyba: o tradicional e o moderno

    Registros das missões de Mário de Andrade estão entre as indicações do músico paulista

  6. “Nós fomos a resistência do choro”

    A trajetória de uma das figuras centrais do choro paulistano: Izaías do Bandolim

  7. Atenção, torcida brasileira: hoje é dia de clássico!

    Vasco X Santos ou um sinfonia de Beethoven?

  8. Ôctôctô do outro lado do Atlântico

    Saxofonista Luís Málaga comenta a experiência do grupo na Europa

  9. O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada

    Norte-americano que trocou a guitarra pelo pandeiro, Scott Feiner fala ao Álbum

  10. “Tem gente que diz assim: não é só tu que tá tocando”

    Sebastião Tapajós conta sua trajetória à Série +70 e relata impressões sobre seu disco Guitarra Criolla, de 1982

    1. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

    2. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

    3. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

    4. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    5. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

      1. Sem bandleader

        O rock instrumental brasileiro, de Os Incríveis a Pata de Elefante e Macaco Bong

      2. Hermeto Pascoal no Auditório Ibirapuera

        Hermeto Pascoal e Grupo realizaram apresentação recheada de improvisações

      3. A música de Paulinho da Viola pela Escola do Auditório Ibirapuera

        Cinco formações da Escola interpretaram músicas do sambista e de outros artistas brasileiros

      4. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      5. O berimbau, a percussão e a voz de Naná Vasconcelos

        Playlist contempla trabalhos de autoria de Naná Vasconcelos e suas contribuições nos trabalhos de amigos

      6. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura

      7. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      8. Série Instrumento: Violão

        Seleção lista interpretações de Dilermando Reis, Rosinha de Valença, Vera Brasil, Geraldo Vespar e Sebastião Tapajós

      9. Série Instrumento: Baixo

        Playlist reúne os titulares do ritmo Luizão Maia, Luiz Chaves, Liminha, Jamil Joanes e Arthur Maia

      10. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera