//seções//notas

Morre o baixista Tuco Freire

Músico era um dos mais ativos da cena paulistana desde os anos 1980

O baixista Tuco Freire morreu na segunda-feira, 19 de outubro. Foto: Luís Simione

O baixista, produtor, compositor e arranjador Pedro de Oliveira Freire, o Tuco, morreu na segunda-feira, 19 de outubro, aos 61 anos de idade. O músico foi um dos integrantes do grupo Pé ante Pé e parceiro de Bocato e Benjamim Taubkin, entre outros colegas de renome no cenário paulista. Tuco nasceu no Rio de Janeiro em 14 de outubro de 1954, mas ainda bebê foi para São Paulo. Na capital paulista, começou a dedilhar suas primeiras notas musicais, primeiramente no violão clássico, que estudou com Antero Martins.

Aos 20 anos de idade, o músico estudou teoria e contrabaixo, e depois baixo acústico com Luiz Chaves no Clam. No final dos anos 1970, passou uma temporada nos Estados Unidos, onde estudou no New England Conservatory e no Berklee College of Music.

>> OUÇA JO & TUCO: “A GENTE TEM UMA PAIXÃO PELO COOL JAZZ”

De volta ao Brasil, em 1979 entrou em contato com a cena que agitava a capital paulista. Ali, tocou com Pé ante Pé, Bocato, Benjamim Taubkin e Guilherme Vergueiro.

Em meio aos trabalhos como músico acompanhante em shows pelo Brasil, também fez música para publicidade. Em 1987, formou um quinteto com a cantora, pianista, compositora e esposa Jo de Souza, e com os músicos Jarbas Barbosa, Marcelo Maita, Gigante Brasil e depois Edu Vianna. Um ano mais tarde, com a esposa formou o dueto Tuco e Jo, lançando dois álbuns: Você e Eu (2000) e Um Silêncio (2010). Além do trabalho em duo, o músico continuou suas atividades como produtor e arranjador ao lado de músicos como o irmão e violeiro Paulo Freire, o pai Roberto Freire e o guitarrista Cláudio Celso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. “A música brasileira rivaliza com os maiores poetas”

    Em entrevista à Série +70, Jorge Mautner fala de militância, literatura e música

  2. Samba, vanguarda e estrelas

    Documentário sobre Arnaldo Baptista está na lista de Wandi Doratiotto

  3. Muito mais que um palco

    Um Delírio de Porão traz imagens e textos com história do Teatro Lira Paulistana

  4. “Sinto minha história parecida com a do Cem Anos de Solidão”

    Clássico do colombiano Gabriel Gárcia Márquez é uma das sugestões de Jerry Espíndola

  5. 30 anos em quatro letras: NáZé

    Zé Miguel Wisnik e Ná Ozzetti lançam álbum que celebra parceria de três décadas

  6. Documentário sobre Vanguarda Paulista é destaque no In-Edit

    Longa-metragem conta a história do local que nos anos 1980 deu espaço a nomes como Itamar Assumpção e Titãs

  7. Voa Viola divulga 12 selecionados

    Músicos classificados na 2ª edição do festival participam de shows em 4 capitais brasileiras

  8. “O Itamar abriu meu horizonte!”

    Jornalista de Hamburgo (ALE), Rainer Skibb mantém desde 1988 programa de rádio dedicado à música brasileira

  9. Pavê de bolacha de maisena à Paulo Freire

    Ele já travou aventuras com sacis, mas só deixa a viola por um doce de bolachas feito pela mãe

  10. Popular, mas sem clichês

    Filarmônica de Pasárgada lança seu primeiro álbum, O Hábito da Força

    1. Porcas Borboletas

      Banda universitária surgida em Uberlândia reverencia a música popular brasileira de laboratório, de Hermeto Pascoal a Caetano Veloso, Arrigo Barnabé e Itamar Assumpção

      1. Gero Camilo: “Aguardei a coragem para assumir meu lado musical”

        Ator fala de suas influências musicais, como a Tropicália e o Pessoal do Ceará, e apresenta seu CD Canções de Invento

      2. Luiz Tatit: “O rap lembra o Rumo em seu estágio mais cru!”

        Professor e compositor comenta a trajetória e as heranças do conjunto que dissecou o canto falado

      3. Bocato: “Tenho um jeito meio esquisito de tocar!”

        Trombonista relembra o início da carreira, quando tocou com Elis Regina e Arrigo Barnabé, e comenta o álbum Hidrogênio

      4. Sons que fizeram o som do Inocentes

        Clemente lista músicas fundamentais para se entender uma das bandas símbolo do punk brasileiro

      5. Jo & Tuco: “A gente tem uma paixão pelo cool jazz”

        Cantora e pianista comenta o trabalho com o marido contrabaixista e ressalta obra de Jobim e Miles Davis