//seções//notas

Kika lança seu segundo álbum, “Navegante”

Cantora e compositora celebra a imensidão da vida

texto Itamar Dantas

Navegante, de Kika, desafia o ouvinte a repensar a liberdade. Foto: Ana Carol Azeredo

Em Navegante, Kika desafia o ouvinte a repensar a própria existência. Para isso, fala de escolhas e dos devaneios em meio ao cotidiano que faz com que a pessoa perca tempo com coisas não tão importantes. A faixa que dá nome ao disco traz em si esse conceito: “Pensei numa saída navegante. Eu falo no disco dessa navegação, dessa partida para viver de modo mais intenso”, diz a cantora.

Foi logo depois que lançou seu primeiro disco, Pra Viagem (2013), que Kika começou a reunir repertório para o que viria a ser o novo álbum. Com produção de Victor Rice, o segundo trabalho da cantora percorre composições de sua autoria e de Chico Buarque e Tom Jobim (“Imagina” – incidental em “Navegante”), João Donato e Lysias Ênio (“Flor de Maracujá”) e Danilo Monteiro (em “De Noite Desconfia”), além de trazer sua parceria com a também cantora e compositora Tika (“Pra Ficar na Tua Vida”) e com Fernando TRZ e Bruno Morais (“Janela”).

Para falar de liberdade e das escolhas da vida, a cantora embala suas canções no reggae, que dialoga com as aspirações e as questões colocadas nas letras. Em “Flor de Maracujá”, um riddim jamaicano comandado por Victor Rice desafia a complexa harmonia de João Donato em apenas uma nota. “Você pega uma música e coloca em dó maior do começo ao fim. Eu não quero me meter a fazer MPB, bossa nova… Eu gosto demais para fazer do mesmo jeito. Se você vai mexer nesse material, é melhor somar de alguma forma. Essa foi uma das primeiras que eu pensei em colocar no segundo disco. A gente acabou radicalizando, o Victor mostrou ao João Donato e ele gostou”, conta.

Em “Armour”, Kika fala também do desperdício de vida pelo qual muitas pessoas passam por, segundo ela, não estarem preparadas para o milagre que é a vida. “A gente perde tempo com coisas que não são tão importantes assim. Chega um momento em que as pessoas não conseguem mais vivenciar o espetáculo que está pronto pra elas. Quanto menos você perder tempo com brigas e problemas desnecessários, melhor!”

A base de todo o disco está registrada pela própria cantora (voz, ukulele, piano elétrico, violão de aço e música corporal) e pelos músicos Guilherme Held (guitarra), Loco Sosa (bateria) e Victor Rice (baixo, violoncelo, escaleta, pandeirola, teclado e arranjos para cordas e metais). Sobre os músicos, Kika defende que é a participação desse time que garante um grande álbum. “Ter o Victor, o Gui e o Loco dá um diferencial… Meu trabalho é na simplicidade. Eu me sinto mais musicista do que cantora. Crio coisas e administro em grupo. Quando você escuta meu disco, eu faço tudo baixinho, tudo isso está ligado na linguagem.”

Atuam ainda os músicos Alex Tea (voz e guitarra), Barulho Mxx (voz e música corporal), Bruno Morais (voz), Buda Nascimento (violino), Cuca Ferreira (flauta, sax tenor e sax barítono), Curumn (bateria), Daniel Gralha (trompete), Fernando Barba (voz e música corporal), Fernando TRZ (teclado), Helô Ribeiro (voz, flauta e música corporal), João Leão (teclado e arranjo de “Armour” e “Se Você Soubesse”), Klaus Sena (baixo e arranjo de “Armour” e “Se Você Soubesse”), Lucas Bernoldi (violão), Pipo Pegoraro (voz, charango e guitarra), Renato Rossi (viola), Ritamaria (voz e música corporal), Tika (voz e assobio) e Zuza Gonçalves (voz e música corporal).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário