//seções//notas

Discos celebram Luiz Gonzaga

Falamansa e o duo Guilherme Ribeiro e Mateus Sartori divulgam CDs com músicas do Rei do Baião

texto Patrícia Colombo

Falamansa (da esq. para a dir.: André, Tato, Douglas e Josivaldo) e a capa do CD tributo à Gonzagão. Foto: divulgação

Em 2012, diversas homenagens marcam o centenário de Luiz Gonzaga e na lista está o Falamansa. Em tributo, o grupo lançou neste ano o álbum As Sanfonas do Rei, material que conta com 16 versões da banda para as canções do compositor e instrumentista morto em 1989.

Entre as faixas estão “O Fole Roncou”, “Súplica Cearense”, “Nem se Despediu de Mim”, “Xote Ecológico” e “Alegria Pé de Serra”. O grupo de convidados conta com Dominguinhos, Trio Virgulino, Trio Nordestino, Elba Ramalho e Jorge Du Peixe – frontman da Nação Zumbi. Segundo Tato, vocalista do Falamansa, a ideia do disco era homenagear Gonzagão não apenas em um projeto com músicas do artista já bastante conhecidas. “Queríamos um álbum que também buscasse pérolas interpretadas por Luiz Gonzaga que não tivessem sido muito executadas, fazendo aumentar mais ainda seu vasto repertório presente no cenário brasileiro.”

O cantor comenta ainda o peso da obra do rei do baião na música produzida hoje em dia. “Se você reparar, os grandes sucessos da MPB de hoje passeiam pelo ritmo criado por Luiz Gonzaga”, afirma. “Maria Gadú, Céu, Lenine, Zeca Baleiro, Chico César, Gilberto Gil, Caetano Veloso. Nossa música [do Falamansa] é inspirada não só no ritmo criado e difundido por ele, mas também na intenção principal que é levar o bem por meio das canções e a preocupação com as mensagens contidas nas letras. Ele [Gonzaga] sempre fez isso. Exaltando alegrias, minimizando tristezas, denunciando as condições de um povo sofrido.”

Pernambucano como Luiz Gonzaga, Valdir, o sanfoneiro do Falamansa, conta que começou a tocar o instrumento aos 14 anos pela presença das canções de Gonzagão em sua vida. “Minha mãe cantava cantigas dele quando eu era pequeno, em Arco Verde, minha cidade”, revela. “Ele influenciou 100% [o meu trabalho].”

As Sanfonas do Rei tem lançamento pela Deckdisc e está disponível nas lojas nos formatos CD e LP. Ouça abaixo a versão da banda para “Súplica Cearense”:

Que se Deseja Rever

Outra homenagem que chega aos ouvidos do público é a dos músicos Guilherme Ribeiro e Mateus Sartori. A dupla – Sartori assume o vocal e Ribeiro fica a cargo do piano e da sanfona – está lançando o álbum Que se Deseja Rever.

No trabalho estão clássicos como “Asa Branca”, “Qui Nem Jiló” e “Assum Preto”, além de canções menos conhecidas como “Rosa do Mearim” (composta por Luiz Guimarães), “Rei Bantú” (de Luiz Gonzaga e Zé Dantas), “Tenho Onde Morar” (de Luiz Gonzaga e Dário de Souza) e “Acácia Amarela” (de Luiz Gonzaga e Orlando Silveira).

Para ouvir o material, basta entrar no site http://www.guilhermeribeiro.com/.

//tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Na pele do Rei

    Protagonista do filme "Gonzaga – De Pai para Filho" se apresenta na Sala Itaú Cultural

  2. Stereotipado

    Apropriação e subversão do estereótipo pela vítima: de Gonzagão a Chico Science

      1. Dominguinhos, sanfona e forrós

        Playlist assinada por Itamar Dantas e Marcel Fracassi reúne 12 músicas criadas ou intepretadas pelo sanfoneiro pernambucano

      2. Gil, o herege (versões originais)

        As inspirações do tropicalista Gilberto Gil: Dorival Caymmi, Jimi Hendrix, Luiz Gonzaga e Steve Winwood