//seções//notas

Correção de rota

Membro da Orq. Contemporânea de Olinda, Juliano Holanda lança primeiro CD

texto Itamar Dantas

Juliano Holanda estreia em disco individual, A Arte de Ser Invisível. Foto: Beto Figueiroa

Juliano Holanda tem apenas 35 anos de idade, mas atua há mais de 20 como compositor, instrumentista, arranjador e produtor musical em Pernambuco. Membro da Orquestra Contemporânea de Olinda, o músico já teve mais de 100 composições gravadas por outros artistas, participou de mais de 50 álbuns e sai agora do anonimato para lançar seu disco de estreia como intérprete, A Arte de Ser Invisível.

Aos 13 anos de idade, o músico iniciava a carreira profissional ganhando espaço como instrumentista, mas manteve o ofício de compositor e passou a ter suas canções requisitadas por outros intérpretes de seu estado. “O disco é uma correção de rota”, afirma. Em 2011, Holanda foi convidado a participar de uma coletânea para o estúdio Muzak (Música de Estúdio, 2011), de Pernambuco, e começou a tocar suas composições. O pessoal do estúdio conhecia algumas de suas músicas na voz de outras pessoas e sugeriu que ele gravasse. Ele conversou com a esposa, Mery Lemos, que tomou a produção do álbum.

Holanda canta apenas na primeira faixa, “Karma Sutra”, e toca instrumentos variados: guitarra, viola de 10 cordas, escaleta, Rodhes, tres cubano. Suas canções são interpretadas por Marcelo Pretto, Ceumar, Tatiana Parra, Jr. Black, Carlos Ferrera, Siba, Laya Lopes e Geraldo Maia. “Primeiro, eu fiz uma seleção de quem eu queria que participasse. Enviei três músicas para cada um e os intérpretes escolheram uma com a qual se identificassem”, conta.

Depois de lançar o disco, o compositor teve uma grata surpresa. Uma de suas criações, “Ímãs de Geladeira”, entrou na trilha sonora da série de TV Louco por Elas, da Rede Globo. O convite rolou quando o compositor conheceu o conterrâneo João Falcão, roteirista da série, em um show do amigo Geraldo Maia. Ao se deparar com o trabalho de Holanda, pediu para incluir a música no folhetim. “É uma coisa que ainda está acontecendo e pegou a gente meio assim… Até assusta um pouco. Essa música eu fiz para a minha esposa e agora está na televisão. Eu não esperava tanta reverberação”, confessa Holanda.

Na parte instrumental, o disco tem a participação de Ivan do Espírito Santo (saxofone), Tom Rocha (bateria e percussão), Benjamim Taubkin (piano), Roque Netto (flugelhorn e trompete), João Carlos (cello), Rob Curto (sanfonas), Jam da Silva e dos parceiros Areia (baixo acústico e integrante da Mundo Livre S/A) e Gilu (percussão), seu companheiro na Orquestra Contemporânea de Olinda. As gravações foram realizadas no estúdio Muzak e incluem ainda um mosaico de contribuições registradas no Rio de Janeiro, em São Paulo, Amsterdã e Nova York.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. O disco na era digital

    Debate sobre mercado fonográfico não traz soluções, mas aponta caminhos

  2. Retalhos de Kastrup

    Guilherme Kastrup estreia em disco solo, Kastrupismo, com colagens e ampla participação de amigos

  3. Brasil e Argentina no mesmo palco

    Carlos Villalba e Ensamble Chancho a Cuerda falam sobre o projeto Músicas del Sur

  4. Carne de panela à Miranda

    Como jurado do programa Astros, Carlos Eduardo Miranda jamais diria não à obra-prima de sua mãe

  5. Nação Zumbi lança DVD, CD e LP em março

    Projeto registra o encerramento da turnê Fome de Tudo, 4º disco de estúdio pós-Chico Science

  6. “A improvisação está mais para o circo do que para a música”

    Júnior Areia, baixista da Mundo Livre S/A, fala sobre seu disco solo Para Perdedores

  7. Fome de geografia

    Roteirista do filme Baile Perfumado, de Lírio Ferreira, revê o cenário musical de Olinda e Recife nos anos 1980 e 1990

  8. Stereotipado

    Apropriação e subversão do estereótipo pela vítima: de Gonzagão a Chico Science

  9. “O que nos faz vibrar é a música brasileira!”

    Percussionista Adriano Adewale conta sua trajetória no mercado inglês

  10. Sem concessão

    Pequenas casas de shows debatem seu papel cultural em São Paulo

    1. “Donzela Teodora”, por Vanja Ferreira e Itamar Vidal

      Duo de harpa e clarinete é uma das formações surgidas no Rumos Música Coletivo

    2. Itamar Vidal e Vanja Ferreira

      O quarto ensaio do duo formado pelo clarinetista e harpista

      1. Especial Manguebeat

        Bandas que renovaram o pop brasileiro dos anos 1990, como Mundo Livre S/A/ (f.), Mestre Ambrósio, Cascabulho, e Chico Science e Nação Zumbi