//seções//notas

Coletânea revisita obra de Déa Trancoso

Álbum é parte das comemorações de 25 anos de carreira e passeia pelos quatro discos da cantora, com música inédita

texto Itamar Dantas

Coletânea que revisita os quatro álbuns de Déa Trancoso. Na imagem, a foto de capa de seu primeiro disco solo, Tum Tum Tum.

Déa Trancoso está completando 49 anos de idade e 25 anos de carreira na música. Para comemorar a data, lançou uma coletânea on-line, em que revisita canções de seus quatro álbuns e apresenta ainda uma música inédita, fruto de parceria com o músico Ricardo Novais, de Belo Horizonte.

A cantora é natural da cidade de Almenara, no Vale do Jequitinhonha mineiro. Sua música passeia pelos ritmos da região, como o catimbó, o maracatu e a moda de viola. Ela ganhou destaque a partir do primeiro álbum que participou, a convite do violeiro e compositor mineiro Chico Lobo, O Violeiro e a Cantora (2002). O primeiro disco solo chegou somente em 2006, depois de 16 anos de pesquisa e cantorias: Tum Tum Tum foi lançado por meio de uma lei de incentivo e relançado pela Biscoito Fino em 2010. “Entre a concepção de Tum Tum Tum e o relançamento do disco pela Biscoito Fino foram longos 16 anos. No entanto, Tum Tum Tum adolescente me trouxe muitas alegrias. Conhecer Egberto Gismonti foi uma delas. Ele é um norte, uma fonte que nunca seca”, conta a cantora.

No dia 27 de março, a cantora disponibilizou a já citada coletânea, que passeia por sua discografia, com amostras de seus quatro álbuns, mais a inédita “Tempo”, parceria com o músico Ricardo Novais. “A seleção veio de um critério mais orgânico mesmo. Tinha de ter canções dos meus quatro CDs: O Violeiro e a Cantora (2002); Tum Tum Tum (2006, indepentente; 2010, Biscoito Fino), meu primeiro solo; Serendipity (2011), meu primeiro autoral; e Flor do Jequi (2012), que gravei com o violonista Paulo Bellinati. Para coroar, uma inédita, parceria com Ricardo Novais, cantor, compositor e violonista daqui de Belo Horizonte, uma gravação caseira deliciosa, cantada por ele mesmo.”

Ainda em turnê com Flor do Jequi, Déa já faz apresentações com repertório de seu próximo trabalho, Zêlo, desenvolvido com o violeiro Wilson Dias. “O repertório é todo nosso, nossas canções, nossas parcerias. Nós ganhamos um prêmio pela Terra Una e vamos gravar em um estúdio que fica em plena Serra da Mantiqueira, na natureza, ao vivo”, garante a cantora, que acaba de lançar também seu novo site. Abaixo, a coletânea de 25 anos de Déa Trancoso para audição e/ou download.

  1. Gostaria de ouvir uma musica ,na qual vc ganhou um festivale em Rubim.Nao me lembro datas.E nem o nome da musica.

    | marielia
  2. tuíra, índia guerreira (si amaral e celi márcio). no entanto, ainda não tenho gravação dela. beijos.

    | Déa Trancoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Pavê de bolacha de maisena à Paulo Freire

    Ele já travou aventuras com sacis, mas só deixa a viola por um doce de bolachas feito pela mãe

  2. Moda de viola com requeijão e goiabada

    Para fugir da mesmice da mídia, Roberto Corrêa defende uma demarcação cultural

  3. Fala aí, meu camarada!

    De Machado de Assis a Mussum, de Norte a Sul, a língua portuguesa segue viva e mutante

  4. Voa Viola divulga 12 selecionados

    Músicos classificados na 2ª edição do festival participam de shows em 4 capitais brasileiras

  5. Ícone da música caipira, Tinoco morre aos 91 anos

    Em hospital no bairro da Mooca, em SP, músico teve insuficiência respiratória e não resistiu

  6. Quatro notas de Ricardo Vignini

    Violeiro especializado em adaptar clássicos do rock and roll dá dicas de livro, disco e lugares

  7. Herdeiros do rock rural

    Banda Matuto Moderno lança quinto álbum em show no Auditório Ibirapuera

  8. Eram duas caveiras que se amavam!

    Novela pós-mortem lançada originalmente em 1940 foi um dos sucessos de Alvarenga & Ranchinho

      1. Roberto Corrêa: “Cornélio Pires foi o primeiro a gravar música independente”

        Físico de formação e violeiro por opção conta histórias de seus discos e da música caipira

      2. Mazzaropi, crooner da roça

        Homenagem ao ator e humorista por meio das músicas de seus filmes, como as de O Vendedor de Linguiça

      3. Violas marrudas

        Ricardo Vignini sugere modas de viola de Tião Carreiro e Pardinho, Índio Cachoeira, Ivan Vilela e Renato Andrade

      4. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello

      5. Original & Inigualável

        Playlist de 13 músicas reúne duplas como Marechal e Rondon, Faísca e Pinga Fogo, Polyglota e Porta-Voz

      6. O berimbau, a percussão e a voz de Naná Vasconcelos

        Playlist contempla trabalhos de autoria de Naná Vasconcelos e suas contribuições nos trabalhos de amigos