//seções//notas

Bossa nova no Carnegie Hall

Em novo livro, Roberto Menescal revela bastidores da 1ª apresentação dos bossa-novistas nos EUA

texto Itamar Dantas

Capa do livro Essa Tal de Bossa Nova e plateia no Carnegie Hall, em 1962. Fotos: divulgação/Revista Cruzeiro

No dia 21 de novembro completam-se 50 anos de um dos shows mais representativos do estabelecimento da bossa nova nos Estados Unidos. Em 1962, mais de 3 mil pessoas compareceram ao Carnegie Hall, em Nova York, para assistir às apresentações de Tom Jobim, João Gilberto, Roberto Menescal, Sérgio Mendes, Carmen Costa e de inúmeros outros artistas brasileiros que encabeçavam o então novo gênero musical brasileiro.

Em homenagem à data, e também ao aniversário de 75 anos de Roberto Menescal (completados em 25 de outubro), a editora Prumo lança o livro Essa Tal de Bossa Nova, uma reunião de memórias de Roberto Menescal conduzidas pela escritora Bruna Fonte que englobam histórias sobre a apresentação do Carnegie Hall, além de outros bastidores do estilo e da música brasileira dos quais Menescal foi protagonista.

Bruna Fonte já havia trabalhado com o compositor em outro livro, O Barquinho Vai… Roberto Menescal e suas Histórias, publicado pela editora Vitale em 2010. E foi a partir das conversas que teve com o músico para a elaboração do primeiro trabalho que surgiu a ideia de lançar um segundo projeto, desta vez com abordagem mais ampla, sem se prender à figura central do compositor de “O Barquinho”. “Essa Tal de Bossa Nova é um livro em que Menescal não é apresentado ao leitor como personagem principal – como era no primeiro livro –, mas como um narrador que conta diversas histórias que se dividem entre memórias da bossa nova, bastidores da MPB e a Sociedade Alternativa de Raul Seixas e Paulo Coelho”, conta a autora.

Discos voadores e a Sociedade Alternativa

Foi no VII Festival da Canção, em 1972, que Menescal e Raul Seixas se conheceram. Menescal era diretor musical da gravadora Polygram e reconheceu o potencial de sucesso do artista, com sua irreverência e rock and roll. No livro, Bruna Fonte revela histórias dessa parceria. “A importância do Menescal na carreira do Raul se deu no momento em que Menescal percebeu nele o potencial para trazer algo muito novo para a música brasileira e apostou em sua carreira, contratando-o.

Em entrevista ao Álbum, Bruna Fonte conta um pouco do novo livro, que tem lançamento previsto para o dia 27 de novembro na FNAC Pinheiros, em São Paulo.

ÁLBUM – O que muda entre seu primeiro livro com Menescal e este segundo?
BRUNA FONTE – Há cinco anos iniciei o meu trabalho com Roberto Menescal, que resultou no livro O Barquinho Vai… Roberto Menescal e suas Histórias. Após o lançamento desse primeiro trabalho, novas histórias e casos da música brasileira começaram a surgir em nossas conversas, o que me levou à ideia de reuni-los – junto a algumas histórias que haviam “sobrado” do livro anterior – em um novo título. Aproveitando a comemoração do show no Carnegie Hall, compilei também uma série de passagens relacionadas à viagem para Nova York, na qual, inclusive, terminou a amizade entre Roberto Menescal e João Gilberto.

Quais foram os frutos da parceria entre Menescal e Raul Seixas?
Menescal conheceu Raul numa coletiva de imprensa do VII Festival da Canção, em 1972. Na época, Menescal já era diretor musical da Polygram e Raul Seixas ainda era praticamente um ilustre desconhecido do público. Trabalhava como produtor na CBS, mas naquele ano estava concorrendo no Festival da Canção com duas músicas: “Eu Sou Eu, Nicuri É o Diabo” e “Let Me Sing, Let Me Sing”. No ano seguinte, Menescal produziu o primeiro long-play solo e autoral do Raul, Krig-ha, Bandolo!, que marcava o início da parceria entre Raul Seixas e Paulo Coelho e trazia músicas que se tornariam sucessos eternos da música brasileira, como “Ouro de Tolo” e “Metamorfose Ambulante”. No livro, o leitor encontrará passagens muito interessantes relacionadas ao trio, principalmente sobre a Sociedade Alternativa, que no início Menescal temia que estivesse relacionada à magia negra.

Há alguma história curiosa narrada no livro que você queira destacar?
Estamos numa época em que as pessoas querem saber histórias relacionadas à ditadura e à censura, então incluí no livro algumas relacionadas a este capítulo sombrio do Brasil. Dentro desse tema, destaco uma ocasião na qual Menescal, que estava em Brasília para reunião com o Ministro Jarbas Passarinho, foi levado para interrogatório pela Polícia Federal no aeroporto de Brasília, suspeito de tentar sequestrar um avião. É uma história engraçadíssima, mas ao mesmo tempo revela o perigo daquela época em que você podia, sem motivo algum, ser visto como subversivo e acabar preso ou morto. Há passagens interessantíssimas no livro, e não posso deixar de citar a história que Menescal conta sobre uma gravação que Mick Jagger fez com músicos brasileiros nos anos 1970.

SERVIÇO
Data de lançamento: 27 de novembro de 2012, às 17h
Local: FNAC Pinheiros
Endereço: Praça dos Omaguás, 34 – Pinheiros, São Paulo
Tel.: (11) 3579-2000

  1. Parabéns Bruna, Show de bola .

    | micheli machado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. O sotaque americano da bossa nova

    Em novo álbum, Stacey Kent apresenta novas composições em meio a clássicos bossa-novistas

  2. “Jamais reneguei minhas raízes, eu as universalizei!”

    Ithamara Koorax fala como o sucesso no exterior prejudicou seu reconhecimento no Brasil

  3. O homem que de(cifrou) a MPB

    Especial investiga vida e obra de Almir Chediak, o criador dos songbooks

  4. “Villa-Lobos gostava muito de nós”

    Os Cariocas contam um pouco de sua longa trajetória na música popular brasileira

  5. “Somos caçadores de sonhos perdidos”

    Zero Freitas conta histórias de sua coleção de 5 milhões de discos

  6. Com a palavra a lenda do jazz

    Ron Carter fala com exclusividade ao Álbum sobre sua carreira, a relação com a música brasileira

  7. “A gente não escolhe ser músico, a gente é músico”

    João Donato fala de passagens importantes de sua carreira em entrevista ao +70

  8. Autodidata e cara de pau

    O perfil e as histórias de um dos ícones da percussão brasileira, Robertinho Silva

  9. Muito além da bossa nova

    No centenário de nascimento do multi-instrumentista Garoto, documentário joga luz sobre a sua obra

  10. Giana Viscardi: do Rio à África

    Dicas da cantora incluem João Gilberto, Moacir Santos e a cabo-verdiana Mayra Andrade

      1. Almir Chediak – Songbooks (1991–1995)

        Registros dos álbuns que celebraram obras de Tom Jobim, Carlos Lyra, Dorival Caymmi, Vinicius e Ary Barroso

      2. Walter Garcia: “A interpretação do João é melancólica”

        Jornalista analisa a canção na música popular brasileira e destaca o papel de João Gilberto

      3. Versões, sample e inspirações do Ben

        A música de Jorge Ben cantada por Dominguinhos, Skank, Les Etoiles, Racionais MCs e Emilio Santiago

      4. Almir Chediak – Produtor

        Playlist reúne faixas de álbuns produzidos pela Lumiar Discos. Com João Nogueira, Rosa Passos e João Donato

      5. Jo & Tuco: “A gente tem uma paixão pelo cool jazz”

        Cantora e pianista comenta o trabalho com o marido contrabaixista e ressalta obra de Jobim e Miles Davis

      6. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      7. Almir Chediak – Songbooks (1996–2003)

        Seleção com músicas dos songbooks de Chediak demonstram pluralidade na escolha dos intérpretes

      8. Vadico: 10 vezes com Noel

        Playlist compila as 10 músicas que o maestro compôs com Noel Rosa, como Feitio de Oração

      9. Mutantes, Adoniran, Djavan e Rosa Passos

        Quarto Mergulho no Escuro tem samba, soul, balanço e bossa nova

      10. Ed Lincoln, o rei dos bailes

        Playlist compila faixas de todos os álbuns do maestro do balanço