//seções//notas

Bossa nova no Carnegie Hall

Em novo livro, Roberto Menescal revela bastidores da 1ª apresentação dos bossa-novistas nos EUA

texto Itamar Dantas

Capa do livro Essa Tal de Bossa Nova e plateia no Carnegie Hall, em 1962. Fotos: divulgação/Revista Cruzeiro

No dia 21 de novembro completam-se 50 anos de um dos shows mais representativos do estabelecimento da bossa nova nos Estados Unidos. Em 1962, mais de 3 mil pessoas compareceram ao Carnegie Hall, em Nova York, para assistir às apresentações de Tom Jobim, João Gilberto, Roberto Menescal, Sérgio Mendes, Carmen Costa e de inúmeros outros artistas brasileiros que encabeçavam o então novo gênero musical brasileiro.

Em homenagem à data, e também ao aniversário de 75 anos de Roberto Menescal (completados em 25 de outubro), a editora Prumo lança o livro Essa Tal de Bossa Nova, uma reunião de memórias de Roberto Menescal conduzidas pela escritora Bruna Fonte que englobam histórias sobre a apresentação do Carnegie Hall, além de outros bastidores do estilo e da música brasileira dos quais Menescal foi protagonista.

Bruna Fonte já havia trabalhado com o compositor em outro livro, O Barquinho Vai… Roberto Menescal e suas Histórias, publicado pela editora Vitale em 2010. E foi a partir das conversas que teve com o músico para a elaboração do primeiro trabalho que surgiu a ideia de lançar um segundo projeto, desta vez com abordagem mais ampla, sem se prender à figura central do compositor de “O Barquinho”. “Essa Tal de Bossa Nova é um livro em que Menescal não é apresentado ao leitor como personagem principal – como era no primeiro livro –, mas como um narrador que conta diversas histórias que se dividem entre memórias da bossa nova, bastidores da MPB e a Sociedade Alternativa de Raul Seixas e Paulo Coelho”, conta a autora.

Discos voadores e a Sociedade Alternativa

Foi no VII Festival da Canção, em 1972, que Menescal e Raul Seixas se conheceram. Menescal era diretor musical da gravadora Polygram e reconheceu o potencial de sucesso do artista, com sua irreverência e rock and roll. No livro, Bruna Fonte revela histórias dessa parceria. “A importância do Menescal na carreira do Raul se deu no momento em que Menescal percebeu nele o potencial para trazer algo muito novo para a música brasileira e apostou em sua carreira, contratando-o.

Em entrevista ao Álbum, Bruna Fonte conta um pouco do novo livro, que tem lançamento previsto para o dia 27 de novembro na FNAC Pinheiros, em São Paulo.

ÁLBUM – O que muda entre seu primeiro livro com Menescal e este segundo?
BRUNA FONTE – Há cinco anos iniciei o meu trabalho com Roberto Menescal, que resultou no livro O Barquinho Vai… Roberto Menescal e suas Histórias. Após o lançamento desse primeiro trabalho, novas histórias e casos da música brasileira começaram a surgir em nossas conversas, o que me levou à ideia de reuni-los – junto a algumas histórias que haviam “sobrado” do livro anterior – em um novo título. Aproveitando a comemoração do show no Carnegie Hall, compilei também uma série de passagens relacionadas à viagem para Nova York, na qual, inclusive, terminou a amizade entre Roberto Menescal e João Gilberto.

Quais foram os frutos da parceria entre Menescal e Raul Seixas?
Menescal conheceu Raul numa coletiva de imprensa do VII Festival da Canção, em 1972. Na época, Menescal já era diretor musical da Polygram e Raul Seixas ainda era praticamente um ilustre desconhecido do público. Trabalhava como produtor na CBS, mas naquele ano estava concorrendo no Festival da Canção com duas músicas: “Eu Sou Eu, Nicuri É o Diabo” e “Let Me Sing, Let Me Sing”. No ano seguinte, Menescal produziu o primeiro long-play solo e autoral do Raul, Krig-ha, Bandolo!, que marcava o início da parceria entre Raul Seixas e Paulo Coelho e trazia músicas que se tornariam sucessos eternos da música brasileira, como “Ouro de Tolo” e “Metamorfose Ambulante”. No livro, o leitor encontrará passagens muito interessantes relacionadas ao trio, principalmente sobre a Sociedade Alternativa, que no início Menescal temia que estivesse relacionada à magia negra.

Há alguma história curiosa narrada no livro que você queira destacar?
Estamos numa época em que as pessoas querem saber histórias relacionadas à ditadura e à censura, então incluí no livro algumas relacionadas a este capítulo sombrio do Brasil. Dentro desse tema, destaco uma ocasião na qual Menescal, que estava em Brasília para reunião com o Ministro Jarbas Passarinho, foi levado para interrogatório pela Polícia Federal no aeroporto de Brasília, suspeito de tentar sequestrar um avião. É uma história engraçadíssima, mas ao mesmo tempo revela o perigo daquela época em que você podia, sem motivo algum, ser visto como subversivo e acabar preso ou morto. Há passagens interessantíssimas no livro, e não posso deixar de citar a história que Menescal conta sobre uma gravação que Mick Jagger fez com músicos brasileiros nos anos 1970.

SERVIÇO
Data de lançamento: 27 de novembro de 2012, às 17h
Local: FNAC Pinheiros
Endereço: Praça dos Omaguás, 34 – Pinheiros, São Paulo
Tel.: (11) 3579-2000

  1. Parabéns Bruna, Show de bola .

    | micheli machado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. O sotaque americano da bossa nova

    Em novo álbum, Stacey Kent apresenta novas composições em meio a clássicos bossa-novistas

  2. “Jamais reneguei minhas raízes, eu as universalizei!”

    Ithamara Koorax fala como o sucesso no exterior prejudicou seu reconhecimento no Brasil

  3. O homem que de(cifrou) a MPB

    Especial investiga vida e obra de Almir Chediak, o criador dos songbooks

  4. Com a palavra a lenda do jazz

    Ron Carter fala com exclusividade ao Álbum sobre sua carreira, a relação com a música brasileira

  5. “Somos caçadores de sonhos perdidos”

    Zero Freitas conta histórias de sua coleção de 5 milhões de discos

  6. “Villa-Lobos gostava muito de nós”

    Os Cariocas contam um pouco de sua longa trajetória na música popular brasileira

  7. A geografia de Pedro Osmar

    Um abraço na Índia, um concerto em Bangladesh e canções para um amor em SP

  8. O bamba de Sampa

    'O samba já era. Era assim que Eric pensava... Mas havia mudado de ideia. Por causa de uma moça.'

  9. Autodidata e cara de pau

    O perfil e as histórias de um dos ícones da percussão brasileira, Robertinho Silva

  10. O jazz com baião de Antonio Adolfo

    Finas Misturas, novo álbum do pianista, mescla standards do jazz a ritmos brasileiros menos conhecidos no exterior

      1. Almir Chediak – Songbooks (1991–1995)

        Registros dos álbuns que celebraram obras de Tom Jobim, Carlos Lyra, Dorival Caymmi, Vinicius e Ary Barroso

      2. Walter Garcia: “A interpretação do João é melancólica”

        Jornalista analisa a canção na música popular brasileira e destaca o papel de João Gilberto

      3. De Caetano a Elomar

        Terceira edição do programa de Zuza tem jazz, choro e samba com muito bom humor

      4. Mutantes, Adoniran, Djavan e Rosa Passos

        Quarto Mergulho no Escuro tem samba, soul, balanço e bossa nova

      5. Almir Chediak – Songbooks (1996–2003)

        Seleção com músicas dos songbooks de Chediak demonstram pluralidade na escolha dos intérpretes

      6. Dolores Duran

        A cantora Lulina narra a trajetória de uma das precursoras da bossa nova, dona de obra pioneira ao expressar os sentimentos da mulher

      7. Almir Chediak – Produtor

        Playlist reúne faixas de álbuns produzidos pela Lumiar Discos. Com João Nogueira, Rosa Passos e João Donato

      8. Versões, sample e inspirações do Ben

        A música de Jorge Ben cantada por Dominguinhos, Skank, Les Etoiles, Racionais MCs e Emilio Santiago

      9. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      10. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai