//seções//notas

As pequenas casas na dinâmica cultural de São Paulo

Texto de Marcel Fracassi analisa fatores que estimulam o movimento das pequenas casas de shows em São Paulo

texto Marcel Fracassi

Da esquerda para a direita: Casa de Francisca, Tupinikim e Boutique Vintage Brechó Bar. Fotos: Natália Marcigaglia

Entre as muitas questões a levantar a respeito das cidades e de sua dinâmica cultural, meu foco será a produção e a circulação de música em São Paulo nos últimos anos e como as políticas culturais e urbanas, além das ações privadas, têm contribuído para esse cenário. As entrevistas que analiso aqui foram realizadas por mim e por parte da equipe do Observatório Itaú Cultural a partir de março de 2015, tendo sido divulgadas mensalmente no nosso site.

A cidade em mutação constante
Neste primeiro olhar sobre o contexto cultural de São Paulo, é importante ter em mente o conceito de cidade surgido após a Segunda Guerra Mundial com pensadores como Manuel Castells e Henri Lefebvre, que, baseados em uma orientação marxista, visavam uma cidade mais democrática. Conforme diz Néstor García Canclini no artigo Imaginários Culturais da Cidade: Conhecimento/Espetáculo/Desconhecimento: “O que é uma cidade? Até meados do século XX o pensamento urbano respondia a essa pergunta segundo a configuração física: cidade é o oposto do campo, ou um tipo de agrupamento extenso e denso de indivíduos socialmente heterogêneos. Nas últimas décadas, tenta-se caracterizar o urbano levando em conta também os processos culturais e os imaginários dos que o habitam”.

Os processos sociais e econômicos que formam a cidade também determinam a maneira como o cotidiano da cultura é constituído, conforme se vê no artigo Comentários sobre Henri Lefebvre e o Direito à Cidade, de Carmen Beatriz Silveira, publicado na edição número 5 da Revista Observatório: “Interessa ressaltar a visão de que o duplo processo – industrialização e urbanização – segrega as funções urbanas, promove a alienação dos habitantes da cidade e a conseqüente perda da vida urbana. Essa perda compreende, entre outros aspectos, a perda da vida cultural que se desenvolve no urbano, e os habitantes das periferias sofrem essa perda pois passam a viver na cidade sem usufruir a sociedade urbana”.

 >> LEIA O ARTIGO COMPLETO NO SITE DO ITAÚ CULTURAL

>> LEIA TAMBÉM: SEM CONCESSÃO – PEQUENAS CASAS DEBATEM SEU PAPEL CULTURAL EM SÃO PAULO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Sem concessão

    Pequenas casas de shows debatem seu papel cultural em São Paulo

  2. A indústria da música como “laboratório”

    Como as tecnologias digitais têm transformado a cadeia produtiva da música

  3. “O cenário independente brasileiro está cada vez melhor”

    A opinião é de Arthur Pessoa, vocalista da banda Cabruêra

  4. “Se algo me aproxima de Ney, é a vontade de traçar o meu caminho”

    Filipe Catto grava seu primeiro CD e DVD ao vivo no Auditório Ibirapuera em fevereiro

  5. O Brasil pode ser um país de ouvintes?

    Jornalista discute a importância da circulação da música fora de suas regiões de origem

  6. Rua Teodoro Sampaio, 1091

    Dirigido por um de seus fundadores, Riba de Castro, documentário conta a história do teatro Lira Paulistana

  7. Para estranhar

    Segundo disco de Iara Rennó traz power trio com sonoridade pop, pero no mucho

  8. “Fazemos uma caricatura do que acontece”

    Guitarrista da banda Velhas Virgens fala de mercado, mídia e machismo

  9. “A gente quer viver sempre no verão”

    Gaúchos da banda Selton fazem sucesso na Itália e falam de sua experiência no exterior

  10. “Para evoluir é importante arriscar”

    Silva fala de seu terceiro álbum, "Júpiter"

    1. Pena Schmidt: “Marcus Pereira desapareceu do radar, sumiu!”

      Para o produtor, acervo da gravadora que lançou o 1º LP de Cartola deve ser redescoberto

      1. Especial Kuarup Disco (Parte 2)

        Segunda parte do especial sobre a gravadora carioca focaliza a música instrumental. Com Dino 7 Cordas e Raphael Rabello, Carlos Poyares e Paulo Moura

      2. Especial Marcus Pereira

        Pena Schmidt apresenta discos que garantiram fama e pioneirismo à gravadora nos anos 1970

      3. Especial Kuarup Disco (Parte 1)

        Criada no fim dos anos 1970 por Mário de Aratanha e Janine Houard, gravadora foi reduto de artistas independentes, como Elomar e Sivuca