//seções//notas

A música na essência

Naná Vasconcelos lança novo álbum inspirado nos quatro elementos da natureza

texto Itamar Dantas

Naná Vasconcelos e a capa de seu novo álbum, Quatro Elementos, lançado em 2013. Fotos: divulgação

A musicalidade de Naná Vasconcelos não tem limites. Cada novo ambiente que visita, cada objeto que toca, pode se tornar um desafio à sua expressão. Sua música pode ser composta dos mais diversos ruídos, mas sempre há uma característica: o contar de uma história por meio dos sons.

Em sua trajetória, já experimentou todo tipo de coisa que faz barulho: diferentes instrumentos tradicionais do mundo afora, panelas, bacias, as mais diversas madeiras, fora o berimbau, seu companheiro fiel.

Em 2013, o percussionista lança o álbum Quatro Elementos, quando volta sua atenção para os elementos da natureza: água, fogo, terra e ar.

Naná já havia explorado a sonoridade da água em seu disco anterior, Sinfonia & Batuques, de 2010, principalmente na faixa “Suíte das Águas”, construída com sons aquáticos. E foi depois dessa experiência que veio a ideia de investigar outros elementos da natureza.

Para reproduzir o som do fogo, Naná foi ao supermercado e tirou seu instrumento: um pacote de batatinhas. Ele é o que ambienta o “Fogo”. Já para a terra, pensou nos terráqueos e buscou sonoridades orgânicas, como batidas do coração, vozes e palmas. E, representando o ar, uma imagem mais etérea: astronautas africanos dançando nos Anéis de Saturno. E foi indo atrás da representação dessa cena que criou “Astronáfrica”.

“Légua Tirana”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, abre o disco fugindo do tema principal para falar da própria trajetória do músico. A longa estrada retratada na canção é a síntese do longo caminho já trilhado pelo percussionista-compositor. “Eu nunca parei porque estou sempre querendo mais. E porque a estrada é comprida. Não é fácil para mim. Não é fácil vender. Mas mesmo assim eu nunca perdi minha identidade”, reflete o músico.

Outras homenagens são prestadas no álbum: ao percussionista Airto Moreira, seu amigo de profissão, Naná dedica a faixa “Berimbando”. E em “Clementina” o músico reverencia a cantora Clementina de Jesus, com quem trabalhou durante a década de 1970. A música africana, sempre presente em sua discografia, também aparece na faixa “Nizinga”. “O Brasil tem uma diversidade enorme. Por aqui, elementos que eram de diferentes regiões da África se misturaram. O berimbau e a capoeira, por exemplo, só existem juntos aqui. Temos uma diversidade cultural única”, afirma.

Para o próximo trabalho, Naná já pensa em uma experiência completamente diferente: quer gravar um disco com orquestra, unindo suas experiências à tradição erudita. “O que quero mesmo é fazer o extremo som. Gostaria de fazer um disco sinfônico. Mas o mundo erudito é muito fechado. Quero fazer um disco ‘Eu e orquestra’. Uma coisa que misture essas duas coisas: a rua e o teatro”, finaliza.

  1. Grande Naná… um mundo percussivo e expressado com as côres de um artista sem igual…frescura e encontros rompendo com um presente músical parado em la rotina da música mecanizada…um Abraço e Parabéns!!!

    | demetrio prota

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Naná Vasconcelos falece aos 71 anos no Recife

    Internado desde 29 de fevereiro, músico lutava contra um câncer no pulmão

  2. “O que nos faz vibrar é a música brasileira!”

    Percussionista Adriano Adewale conta sua trajetória no mercado inglês

  3. Beatles de lata e PVC

    Grupo Uakti interpreta clássicos do quarteto de Liverpool

  4. “Música Eletrônica”, de Jorge Antunes, será relançado

    Disco de Jorge Antunes lançado em 1975 será relançado pelo selo Guerssen Records

  5. Gustavo Telles: uma pata em cada canoa

    Autobiografia de Tremendão está sobre o criado-mudo do baterista da Pata de Elefante

  6. “A gente pode fazer muita coisa pelo mundo afora”

    Guinga e Esperanza Spalding falam do 1º show conjunto

  7. “Villa-Lobos é o pai da música brasileira contemporânea!”

    Mario Adnet comenta seu novo álbum, dedicado à obra do autor de "Trenzinho do Caipira"

  8. Nascimento parcelado

    Mês a mês, o violeiro Hugo Linns apresenta duas músicas de seu terceiro álbum

  9. O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada

    Norte-americano que trocou a guitarra pelo pandeiro, Scott Feiner fala ao Álbum

  10. Site traz histórias de bandas de Pernambuco

    Site Orquestras de Pernambuco – Quatro Olhares sobre Bandas Históricas apresenta grupos populares do estado e sua trajetória

    1. Vovô Manuel, por Banda Mantiqueira

      Música foi lançada originalmente no CD Terra Amantiquira, de 2006

    2. “Sempre quis desafiar os dogmas consolidados pelo tropicalismo!”

      Criado pelo baixista Munha, grupo de música instrumental mescla influências de Mahler, bossa nova e rock

    3. Ricardo Herz e Samuca do Acordeon

      Duo de violino e acordeom interpreta a autoral "Novos Rumos"

    4. Zé Menezes: “Tocador de violão não tinha valor nenhum”

      Músico cearense relembra a Rádio Nacional, as orquestras e Garoto

    5. Mistura e Manda, por Banda Pequi

      Choro que batiza disco de 1983 de Paulo Moura ganha versão de big band pelo grupo goiano

      1. Série Instrumento: Violão

        Seleção lista interpretações de Dilermando Reis, Rosinha de Valença, Vera Brasil, Geraldo Vespar e Sebastião Tapajós

      2. Série Instrumento: Baixo

        Playlist reúne os titulares do ritmo Luizão Maia, Luiz Chaves, Liminha, Jamil Joanes e Arthur Maia

      3. Série Instrumento: Bateria

        Com os craques do ritmo João Barone, Milton Banana, Edison Machado, Zé Eduardo Nazário, Nenê e Chico Batera

      4. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      5. Especial Jacob do Bandolim

        A carreira de um dos instrumentistas mais originais surgidos no Brasil. Por Carlos Careqa

      6. Sons que fizeram o som do Duofel

        Genesis, Los Indios Tabajaras, Pink Floyd e Baden Powell estão na lista de Luiz Bueno e Fernando Mello

      7. Hector Costita homenageia Astor Piazzolla

        Em show no Auditório Ibirapuera, músico argentino revê carreira e homenageia o renovador do tango

      8. Sem bandleader

        O rock instrumental brasileiro, de Os Incríveis a Pata de Elefante e Macaco Bong

      9. Hermeto Pascoal no Auditório Ibirapuera

        Hermeto Pascoal e Grupo realizaram apresentação recheada de improvisações

      10. A música de Paulinho da Viola pela Escola do Auditório Ibirapuera

        Cinco formações da Escola interpretaram músicas do sambista e de outros artistas brasileiros