//seções//notas

A Bahia metafórica de Rodrigo Campos

Cantor e compositor paulista fala sobre seu segundo álbum, Bahia Fantástica

texto Patrícia Colombo

Para Rodrigo Campos, a Bahia "é algo mítico, complexo, sem significado objetivo". Foto: Ding Musa/divulgação

O cantor e compositor Rodrigo Campos está com um novo álbum na praça, Bahia Fantástica. O aguardado trabalho sucede o lançamento do elogiado disco de estreia São Mateus Não É um Lugar Assim Tão Longe, de 2009. Como o próprio título entrega, as canções falam da relação do artista com o lar dos baianos. Porém, em entrevista ao Álbum, ele conta que a abordagem é ainda mais profunda.

A ideia do disco nasceu após uma viagem de dez dias feita pelo paulista (Campos nasceu em Conchas, no interior de São Paulo, e foi criado no bairro de São Mateus, zona leste da capital) a Salvador. Por lá, ficou hospedado na casa que foi de Vinicius de Moraes − incorporada ao hotel Mar Brasil, em Itapoã – e, após umas semanas, já de volta a São Paulo caracteristicamente cinzenta, percebeu que andava escrevendo sobre a Bahia, sem ao certo compreender o porquê de tudo aquilo. “Aos poucos descobri que estava compondo mais sobre uma sensação do que sobre um lugar. A Bahia se transformou numa metáfora sobre a incompreensão, sobre o medo e o deslumbramento de estar diante de algo maior e intangível”, conta ele.

“Passei um tempo pensando sobre a morte, sobre a razão de viver e tive uma espécie de crise existencial. Já vinha compondo, antes da viagem, de maneira mais subjetiva, mesmo ainda falando de personagens da periferia. Quando a Bahia entrou na conta ficou claro que minha crise já havia influenciado essas canções [mais antigas], e que a Bahia era, agora, a própria sensação de incompreensão”, discorre. “Acho que ela, no meu imaginário, é algo mítico, complexo, sem significado objetivo, por todos os seus paradoxos como nascedouro do Brasil, da cultura brasileira, do sincretismo religioso, da miscigenação. É o início. E é, justamente, o início como metáfora do fim, da morte, pois a perplexidade existe em relação a esses dois polos.”

Capa do 2º disco de Rodrigo Campos. Foto: divulgação

A produção contou com o próprio Campos junto a Gustavo Lenza e Romulo Fróes, tendo ainda as mãos dos instrumentistas que participam do disco: Kiko Dinucci (guitarra), Mauricio Fleury (piano elétrico), Mauricio Takara (bateria) e Thiago França (sax e flauta). “Essas parcerias foram acontecendo naturalmente. Há algum tempo passamos a nos frequentar, como amigos e parceiros musicais − principalmente eu, Kiko, Romulo, Thiago e Cabral”, comenta. “Fizemos alguns discos em colaboração, como Um Labirinto em Cada Pé (de Fróes), Passo Torto (de Romulo Fróes, Kiko Dinucci, Rodrigo Campos e Marcelo Cabral), Metá Metá (de Dinucci com Juçara Marçal e França) e Sambanzo (de Thiago França). Quando ficou claro que eu queria fazer um disco ao vivo, depois de ter feito um disco de camadas com Beto Villares e grande elenco, não tive dúvidas quanto ao interesse de dar continuidade ao ciclo de colaborações que tínhamos iniciado. Incluímos Takara e Fleury, que além de excelentes artistas eram ‘ramificações’ da turma, e a química rolou.”

Criolo, Gui Amabis, Luísa Maita, Guilherme Held e Juçara Marçal completam o time de participações no álbum, que conta com 12 faixas. Destaque para a percussão e para os instrumentos de sopro. Há referências ao jazz e ao rock e ainda uma leve pitada de afrobeat em uma ou outra canção.

Tendo lançado o material três anos após São Mateus Não É um Lugar Assim Tão Longe, Rodrigo Campos fala sobre as diferenças em termos de vivência na música: “Não me sinto com mais experiência, mas me sinto, sim, um pouco mais maduro e menos suscetível em alguns aspectos. Como artista, a ideia é continuar na corda bamba, experimentando, me permitindo coisas e abandonando outras. Isso faz com que a experiência seja relativa, pois o resultado das coisas, dentro dessa premissa, é sempre um pouco mais imprevisível”.

Ouça abaixo, em streaming, o álbum Bahia Fantástica:

*Rodrigo Campos foi consultor do Quinteto Mujangué, formado a partir do Rumos Música Coletivo 2010-2012. Em breve você verá aqui no Álbum os vídeos do show do Quinteto, realizado no Itaú Cultural. Por enquanto, fique com o registro do ensaio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. Thiago França e a malandragem paulistana

    Novo álbum do saxofonista homenageia conto de João Antônio: Malagueta Perus e Bacanaço

  2. “A Mulher do Fim do Mundo é a que vai permanecer”

    Uma das cantoras mais contundentes da atualidade, Elza Soares relembra capítulos importantes de sua carreira

  3. Bahia, samba e baião de dois

    Dicas de Cacá Machado vão do samba real de Rodrigo Campos ao ficcional de Paulo Lins

  4. Qual é a boa de hoje?

    Novo álbum do Passo Torto é uma das dicas das idealizadoras do site Uia Diário

  5. As vozes de Péricles

    Arrigo, Luisa Maita, Lurdez da Luz, Jeneci e outros cantam em novo álbum de Péricles Cavalcanti

  6. Amor entre Pará e SP

    Natália Matos lança o seu primeiro disco

  7. Tons do desconforto

    A morte é o tema predominante no disco de estreia da cantora Juçara Marçal

  8. Da tradição para outro lugar

    Em A Carne das Canções, Marcelo Pretto e Swami Jr. fogem ao convencional na relação entre cantor e instrumentista

  9. De volta à manada

    Com o novo disco, Cambaco, Vicente Barreto encerra hiato de dez anos sem gravar, com novos parceiros

  10. Ro Ro por eles

    Coitadinha Bem Feito traz 17 releituras de Angela Ro Ro

    1. Rumos Música Coletivo – Mujangué

      Terceiro ensaio do grupo de Antonio Loureiro, Arismar do Espírito Santo, Chico Correa, Tiago de Moura e Zé Jarina

      1. Primeiro semestre em 18 discos

        Seleção contempla Passo Torto, Edi Rock, Andreia Dias, Wilson das Neves, Guilherme Arantes e Antonio Adolfo

      2. Elza Soares em A Mulher do Fim do Mundo

        Elza Soares apresenta o álbum A Mulher do Fim do Mundo no Auditório Ibirapuera

      3. Sambando no trem

        O trem é um dos protagonistas das músicas de Moreira da Silva, Chico Buarque, Kiko Dinucci e Joyce

      4. O som que fez o som do Metá Metá

        Os músicos do Metá Metá - Kiko Dinucci, Juçara Marçal e Thiago França - indicam, cada um, cinco músicas que lhes ensinaram liberdades novas

      5. “O diferencial do Paulinho Nogueira eram os acordes”

        Ele começou sua carreira como desenhista de publicidade e, anos depois, assumiu o violão profissionalmente. Juju Nogueira recorda a trajetória do pai

      6. Vadico: 10 vezes com Noel

        Playlist compila as 10 músicas que o maestro compôs com Noel Rosa, como Feitio de Oração

      7. A arca italiana

        Conheça algumas faixas do álbum infantil L'Arca, lançado em 1972, em que Vinicius canta em italiano

      8. A Arca de Noé

        Dez anos depois de editar o livro de mesmo nome, Vinicius de Moraes finalmente realiza seu disco para crianças

      9. A Arca de Noé 2

        Clássico da música para crianças, disco reúne Tom Jobim, Frenéticas, Fagner e Ney Matogrosso para cantar poemas de Vinicius

      10. Almir Chediak – Songbooks (1991–1995)

        Registros dos álbuns que celebraram obras de Tom Jobim, Carlos Lyra, Dorival Caymmi, Vinicius e Ary Barroso