//seções//notas

A alegria e a melancolia do mar

Em segundo álbum, Silva caminha para um universo mais pop

texto Itamar Dantas

Em segundo álbum, Silva caminha para um universo mais pop, com o mar como referência. Foto: Rui Aguiar

Foi um EP com cinco músicas que levou Silva, aos 23 anos, do anonimato em seu apartamento para o posto de revelação na música brasileira. O ano era 2011. Em 2012, veio o primeiro álbum, Claridão, que manteve a primeira boa impressão no público em relação ao jovem cantor capixaba. Agora, dois anos mais tarde, Silva chega ao segundo disco, Vista pro Mar, com a responsabilidade de manter o respeito adquirido, mas sem deixar de lado a busca por novos caminhos.

Em Vista pro Mar, ele traz seu universo familiar, sua relação com cidades praianas e o desejo de uma música mais pop. “As músicas todas eu compus com o meu irmão. São temas muito pessoais, de família. Tem uma música, ‘Capuba’, que é o nome de uma praia onde a gente tinha uma casa, era a praia da nossa infância. Todo mundo se apaixonava lá. Depois, a praia foi destruída por uma enchente”, conta Silva.

Como estampado no título, Silva traz no disco sua paixão pelo mar, segundo ele, um universo ao mesmo tempo “alegre e melancólico”. Na busca por transformar esse universo em música, ele manteve a base eletrônica de sua estreia, mas também se desafiou, percorrendo caminhos sonoros que ainda não havia trilhado. “Depois de tocar muito o Claridão ao vivo, comecei a perceber as músicas que funcionavam e as que não funcionavam muito bem ao vivo. No novo disco coloquei até um reggae. Fui me desafiando em inovar, mas ao mesmo tempo respeitando as pessoas que já gostavam do meu trabalho, que já tinham essa identidade com o repertório.”

No processo de criação, o músico fez mais de 20 músicas. Dessas, selecionou as 11 que compõem Vista pro Mar. “Peguei as que mais me agradaram. Algumas ficaram pop demais, com aquele refrão bem grudento, passaram do ponto. Essas eu nem sei o que vou fazer, estão guardadas”, revela. Diferentemente de Claridão [feito inteiramente sozinho], em Vista Pro Mar Silva conta com participação de outros músicos e convidados, como Fernanda Takai, que interpreta com ele a canção “Okinawa”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe um comentário

*Campos obrigatórios. Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado.
Enviar comentário
  1. A bossa exportação de Fernanda Takai

    A convite de Andy Summers (The Police), vocalista do Pato Fu grava seu 3º disco solo

  2. Heroínas da vida real

    Em segundo álbum solo, Fernanda Takai canta Benito di Paula e Padre Zezinho

  3. Sons pelo espaço

    Projeto DJ Residente, do MAM, tem compilação lançada na internet

  4. “New Order e Joy Division revolucionaram!”

    O baixista inglês Peter Hook fala da herança das bandas que integrou

  5. O mundo numa picape

    Alfredo Bello compartilha suas experiências de música da África ao Oriente Médio

  6. “Música Eletrônica”, de Jorge Antunes, será relançado

    Disco de Jorge Antunes lançado em 1975 será relançado pelo selo Guerssen Records

  7. “Para evoluir é importante arriscar”

    Silva fala de seu terceiro álbum, "Júpiter"

      1. Fernanda Takai: “Gosto de pensar a música sem purismos!”

        Em programa de 2008, cantora analisa seu voo solo e indica Lucy and the Popsonics e Roberto Carlos

      2. Disco Brasil

        O som das pistas dos anos 1970 e 1980: Rita Lee, Lady Zu, Ronaldo Resedá, Jerry Adriani, Marisa Monte e Dudu França

      3. Silva lança álbum “Júpiter” no Auditório Ibirapuera

        Confira o áudio completo da apresentação